27.11.12

 

Será um pássaro…? Será um avião…? Não, … é o Super-Homem!!

Pois é, o Super-Homem é ele e mais nenhum, isto é, há só um.

Para se ser cidadão tem que se viver na “cidade” (ser um vulgar Clark Kent), em comunidade. Na estrutura da sociedade ocidental atual, a cidadania está ligada a direitos tendencialmente universais. Quer dizer, todos nós, homens e mulheres em idade adulta, temos o direito a exercer integralmente a cidadania.

Para que cada cidadão de per si possa usufruir e exercer os seus direitos de cidadania é essencial que ele próprio e todos os outros cumpram os deveres correspondentes.

Assim como, ao que sei, ainda não foi inventada a moeda de uma só face, também não há direitos sem os correspondentes deveres.

E quais são os deveres de cidadania?

Em termos gerais diria que o cidadão tem o dever de contribuir para que a sua cidade, as suas comunidades, o seu bairro, o seu prédio, se desenvolvam harmoniosamente, sustentadamente.

Mas a vida está tão má, as dificuldades aumentam todos os dias, como é que eu vou, com esta situação, ainda ter cabeça, vontade para pensar em “cidadania”? Isso é coisa de quem não tem mais que fazer, de diletantes mais ou menos idealistas.

Acha que sim?!

Qual a dificuldade em deitar o lenço de papel ou o invólucro do maço de tabaco ou o folheto, que acabámos de aceitar receber em mão, num caixote do lixo? Mais difícil ainda: num ecoponto? Compare-se com o desperdício, com o prejuízo, com a comodidade (geradora de desconforto, no mínimo) de lançar esses produtos usados ou inúteis diretamente para o chão. Multiplique por um milhão.

O que custa apanhar alguns folhetos publicitários espalhados pelo chão perto das caixas de correio do meu prédio e depositá-los no local próprio?

A cidadania, o seu exercício equilibrado de direitos e deveres tem a ver com o dia-a-dia, é simples, não tem que ser adiada.

Provavelmente acabaram de lhe ocorrer mais duas ou três coisas ligadas ao exercício da cidadania a que tem direito e que pode e deve praticar (assim como todos os outros podem, mas comecemos por nós) e que tornam a nossa vida mais segura, mais livre, mais responsável.

E não, não é preciso ser o Super-Homem, ter superpoderes, nem viver no “Paraíso”.

 

Jorge Saraiva (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: