14.12.12

 

Olá a todos. Sou o cidadão 10768*** desta República Portuguesa. Apenas o pudor de não querer partilhar, no domínio público, o meu número na íntegra, vos impede de saber quem eu sou. Mas será mesmo assim?

Evidentemente que existem dados pessoais que são públicos. Contudo, através destes e de alguma arte / engenho / conhecimentos, pode aceder-se a outros que não serão assim tão públicos, contributo da era da fácil informação. Apesar de tal, não é minha pretensão incidir o foco deste texto acerca dos eventuais benefícios ou malefícios desta promiscuidade informativa, de direitos ou de deveres, de confidencialidade, sigilo, vendas e trocas. Gosto de remeter essas questões para o âmbito do Direito e de pessoas com propriedade de discussão, profissionalmente lucida e informada. A mim, cidadão 10768***, diz-me mais olhar para a individualidade da cidadania.

Aos olhos do Estado cada um de nós é um número. Aos olhos dos concidadãos que trabalham no Governo, cada um de nós é um número. Se alguém, com acesso a uma base de dados, pesquisar pelo cidadão 10768***, vai com certeza encontrar variadíssimos (e espero, interessantíssimos) dados sobre mim. Contudo, fazendo a junção do que eventualmente encontrar, tal nunca chegará para compreender minimamente a essência do que me constitui enquanto individualidade.

Ora aqui se encontra, na minha opinião, o maior paradoxo do conceito de cidadania. Com ela (cidadania) pretende-se estabelecer vínculos, principalmente de direito e dever, mas também de norma, conduta, ética, moral, cultura e porque não, de “normalidade”, entre pessoas que são... pessoas! E todas as pessoas sabem que cada pessoa é diferente da outra pessoa... Logo, apesar de ser possível regulamentar quase tudo que ocorra ao legislador (aprovar já é outro capitulo) em respeito da cidadania, nunca será possível “domar” a condição humana da singularidade pensante-executante da vivência socializante. Até rimou...

Particularmente falando, ganha então assim evidência uma entidade que divide este palco republicano com todos vocês. Ao melhor estilo da fusão Dragonball, o cidadão 10768*** mesclou-se com Rui Duarte, originando uma pessoa-cidadão que é igual a todos, mas diferente de todos. E isso, no meu entender, é muito salutar.

Deixo-vos, para finalizar, uma questão. À laia da pergunta acerca do ovo e da galinha, quem é que vocês acham que “nasceu” primeiro? A pessoa ou o cidadão?

 

Rui Duarte


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: