1.1.13

 

Quando acordamos de madrugada, sem conseguir adormecer, quando toda a família ainda está a dormir?

Quando, ainda deitados, pensamentos dispersos pairam sobre a nossa cabeça, num vaivém de ideias e novos projetos, e nós nem um papel e caneta temos à mão?

Quando a alegria de uma boa notícia é tanta que não nos conseguimos manter apenas dentro do nosso corpo, transbordando de sentimentos para onde quer que vamos e contagiando quem quer que se cruze connosco?

Quando, finalmente, nos levantamos da cama e decidimos exteriorizar tudo isto escrevendo num teclado e esse teclado não acompanha a velocidade dos dedos e dos pensamentos que por eles saem?

Será magia, passar de um estado de melancolia e insatisfação por faltar algo, para um estado de êxtase, euforia e felicidade?

O que fazer quando milagres da vida acontecem e nós temos medo de os perder, por qualquer erro não controlado?

Quando todas as pessoas à nossa volta teimam em pensar em crise e a nossa cabeça teima em pensar que a vida é mesmo muito bela? Parecemos uns deslocados, mas… O que fazer?

E quando pensamentos menos bons também surgem, relembrando que a vida não é só a felicidade pela qual passamos agora?

Acolhemos esses pensamentos e ficamos tristes, recalcando a felicidade?

Vivemos a felicidade como se não houvesse amanhã contando que um dia poderemos voltar a viver a dor, também como se fosse o último dia da nossa vida?

O que fazer, quando finalmente conseguimos colocar algumas das nossas dúvidas em palavras escritas, e ao lê-las percebemos que viver a felicidade é bem melhor, pois um receio enorme sobre o futuro e sobre o que fazer surgem por cima da felicidade?

Parar de escrever?

Parar de pensar?

Parar de ser feliz?

Parar de ter medo?

Não! Deixar qualquer uma delas para trás seria parar de viver!

Talvez a pergunta “O que fazer?” seja aquilo que nos move para o que vem a seguir.

 

Sónia Abrantes

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

27
28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: