5.3.13

 

Entre duas pessoas:

- Já te sentiste vencido, mesmo tendo ganho? – questiona com olhar perdido.

- Quem nunca ganhou ou perdeu na vida? – responde em jeito de reflexão.

- Por vezes, sinto-me derrotado. Que sensação! – desabafa.

- Derrotado por não vencer ou por ainda não ter vencido? – questiona.

- Derrotado por não ser o que se imaginara. Derrotado, porque num preciso dia, todos os ganhos de outrora parecerem em vão. Menores do que as vitórias ainda por alcançar. Ou que queremos tanto possuir!

- Somos todos vencedores… algures na nossa vida… - reflete, o outro.

- Somos todos perdedores também, então. – contrapõe.

- Talvez não perdedores… mas seres perdidos, por vezes. Seres que perdem, por vezes também.

- E o que vencemos, então, todos, algures? – indaga.

- Vencemo-nos a nós próprios. Algures, vencemos, por exemplo, por nos superarmos. - conclui.

- Vencemos a nós próprios? – replica, intrigado.

- Sim.

- Então derrotámo-nos a nós próprios também?

- Deixamo-nos derrotar, não só por nós, mas pelos outros também.

- Basta não deixar, é isso? – olha, intrigado.

- Talvez. – sugere.

- E se perdermos?

- O que podes perder?

- Sei lá! Coisas, tempos idos, pessoas…

- Coisas são coisas. As pessoas já nos são, e serão, se assim o quisermos. Embora nunca nos pertençam. O Tempo não se tem. Vive-se.

- O Tempo não se perde, então?

- Perder, é como quem diz. Talvez o deixemos passar. Talvez não o vivamos. Se o vivemos, não o perdemos.

- Não?! – exclama.

- Não. Ganhamos. – afirma.

- Como assim? – confuso.

- Já pensaste nas memórias? Ganhámo-las! São nossas!

- Então ganhamos memórias com o Tempo?

- E não só! Ganhamos aprendizagens.

- E se não aprendermos? – questiona.

- Perdemos uma boa oportunidade para tal e para nos sentirmos vencedores. Às vezes, a sensação de derrota, pode advir daí.

- Ficamos perdidos, é isso? – interroga.

- Perdido, só se te deres por vencido. – remata.

 

Cecília Pinto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: