26.3.13

 

Por coincidência ou não, a verdade é que quando me preparava para escrever sobre o tema “Vencedores”, abro ao acaso o livro “Cartas a uma Noiva”, de Maria Amália Vaz de Carvalho, uma edição de 1946, que havia comprado a um alfarrabista e, imediatamente, os meus olhos se perdem nestas palavras: “Ou as cousas nos vencem, ou são vencidas por nós.”

Sorrio…

É isso mesmo!

No nosso dia-a-dia chegam-nos de todos os lados exemplos de pessoas que, perante situações difíceis, arregaçaram as mangas, encheram-se de coragem e foram à luta!

Gente que, não se deixando vencer pela doença, pelo medo, por vícios, por crises financeiras ou outras, conseguiu dar a volta e de alguma forma escrever o seu próprio final feliz.

Estas histórias repetem-se porque servem de inspiração a todos os que atualmente sofrem, como aos que poderão, num futuro próximo, vir a estar em situação de igual fragilidade e sofrimento.

Ouço estas histórias de vencedores e questiono-me sobre aqueles de que ninguém fala, que também não se conformaram com o destino que lhes foi traçado, que também arregaçaram as mangas e foram à luta e lutaram até ao fim mas não tiveram um final feliz…

Não serão também estes uns vencedores?

Maria Amália Vaz de Carvalho no livro referido anteriormente diz: “Vencer é saber extrair, de cada situação em que nos acharmos, aquela sabedoria que ensina os que a possuem a proceder e a pensar do modo mais justo.”

Há tempos, cruzei-me com V, um moçambicano a viver em Portugal há muitos anos. Aqui trabalhou toda a vida, tendo sido dispensado, à beira dos 60 anos, porque a empresa onde trabalhava fechou.

Não tem família em Portugal e à que tem em Moçambique e lhe diz para regressar, ele responde “Um dia…”.

A mim confessa que queria muito voltar a sentir o cheiro de África, mas não tem dinheiro para a viagem e também não quer ir sem nada e ficar a depender da boa vontade da família, que está longe de imaginar como estes últimos anos têm sido difíceis.

Pelo rosto caem-lhe lágrimas que não consegue evitar, mas pressinto-lhe nas palavras alguma esperança e na forma como mexe as mãos adivinho-lhe uma enorme força de vencer.

A solidão, o desespero e a angústia para que foi atirado, juntamente com o apoio de alguns amigos, fizeram-no descobrir a pintura.

Nunca tinha pintada ou desenhado!

Nunca teve aulas de pintura!

Um dia, como que por milagre, ou talvez para espantar os males que lhe iam na alma, pegou num papel e num lápis e começou a desenhar.

E esse foi o primeiro dia do resto da sua vida.

Passou a aproveitar tudo o que fosse papel, bem como todo o material de pintura a que tinha acesso - alguns amigos eram pintores e davam-lhe restos de tintas e pincéis antigos; chegou a comprar lápis e canetas em lojas chinesas porque o dinheiro não dava para mais – e começou a desenhar e a pintar como se não houvesse amanhã.

A paixão pela pintura estava-lhe no sangue e ele sem o imaginar!

Tem vindo a aperfeiçoar a técnica e, incentivado por amigos, começou também a vender alguns trabalhos para poder comprar materiais de melhor qualidade.

Apesar das enormes dificuldades, nunca desistiu.

Vi alguns das suas “pequenas obras de arte”, como ele, num misto de ironia e humildade, lhes chama e fiquei maravilhada!

Cada uma é uma história, um estado de espírito que ele me descreve com todos os pormenores e contextualizados, quer no espaço, quer no tempo, quer nas emoções.

Comprei-lhe duas pinturas e ele ofereceu-me a terceira, que tenho junto à secretária e para a qual os meus olhos fogem demasiadas vezes.

À minha frente estende-se o Tejo, com a Ponte 25 de Abril a levar-me para a minha Lisboa do coração, num céu pintado a mil cores, com um sol lá ao fundo que não se vê mas se sente e lembra o homem inconformado que partiu em busca de um novo rumo para a vida.

Não sei como terminará a história de V, se vai conseguir sobreviver com os seus quadros, se conseguirá o dinheiro suficiente para voltar a África, mas sei, porque o senti em cada traço do lápis que lhe deslizava entre os dedos que o V é um vencedor!

Acredito que em tudo há um lado bom e um lado mau, e que o que talvez nos distinga uns dos outros seja a forma como encaramos e lidamos com as situações e se permitimos que, perante as dificuldades, “as cousas nos vençam ou sejam vencidas por nós”.

Porventura farão algum sentido as palavras que ouvi de um miúdo, à porta da escola, a propósito do filme que a professora de Ciências tinha mostrado nesse dia (utilizo “bolas” e “caraças” em alternativa às palavras usadas pela criança por considerar que essas não eram apropriadas neste contexto):

“Bolas! Como é possível aquele espermatozóide ter conseguido passar a parede do óvulo? Eram tantos, porque é que só aquele conseguiu? Deve ter corrido mais depressa do que os outros… É um vencedor do caraças!”

 

Cristina Vieira (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: