30.7.13

 

Permitirmo-nos ao descanso do tumulto de pensamentos que criamos, que alimentamos, que respiramos, é ser sábio.

Encontramos dois significados para a expressão sabedoria, “Sabedoria humana e a Sabedoria Divina, a primeira é a capacidade que o homem tem de identificar seus erros e os da sociedade e corrigi-los, é limitada. A sabedoria divina é ilimitada. A sabedoria humana tem um fim. A sabedoria divina é eterna. A sabedoria humana busca seu próprio bem. A sabedoria divina busca o bem de todos. A sabedoria humana é aprendida. A sabedoria divina é um presente para aqueles que têm fé. A Sabedoria divina é a capacidade de aprofundar os conhecimentos humanos.” Cabe-nos a nós escolher qual a profundidade a que queremos mergulhar no conhecimento do que é a Essência do Homem, e uma coisa é certa, quanto mais fundo formos mais hipóteses temos de encontrar o tesouro.

Ser, é observar o que vai no nosso interior, não à tona da água mas sim como quando olhamos para a profundeza de um lago. Olhemos para nós como se fossemos realmente um lago onde cisnes brancos navegam à superfície e onde peixes se refugiam em zonas ainda desconhecidas, lugares onde a luz ainda não conseguiu penetrar. E é exatamente aí que deveríamos passar as nossas férias, a descobrir em nós o que de mais escondido temos, para que a limpeza seja ao mais alto nível. E quando o fizermos os raios de Luz penetrarão e enriquecerão toda a nossa alma. Nestas férias o sol é garantido, assim como, a felicidade, a paz, a harmonia, o Amor… Estas férias serão Eternas e as mais sábias que podemos conquistar na nossa evolução. Encontrar este destino de luxo é um passo para a liberdade do nosso Ser.

Não engane os sentidos com as distrações que a sociedade nos impõe, tente observar o que está por trás e dedique o seu tempo a apreciar o que esteve escondido desde que nasceu, quem realmente é e qual o seu propósito no imenso Universo em que vivemos…

No meu caso em concreto, enquanto procuro o melhor lugar para passar as minhas férias, passo por algumas estradas sem luz, estas fazem parte para chegarmos àqueles lugares escondidos que vagueiam em nós e só quando somos postos à prova é que percebemos a quantidade de engarrafamento que tínhamos para ultrapassar. As estradas de Luz estão no nosso mapa, mas por vezes só queremos viajar pelas secundárias e deparamo-nos com mais sofrimento, mais curvas e contra-curvas. O ideal é que cada vez que percorrermos as secundárias tenhamos a consciência que da próxima vez iremos pelas principais. Aí o percurso não é penoso e as paisagens são absolutamente Divinais!

 

Joana Pereira (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: