30.7.13

 

Permitirmo-nos ao descanso do tumulto de pensamentos que criamos, que alimentamos, que respiramos, é ser sábio.

Encontramos dois significados para a expressão sabedoria, “Sabedoria humana e a Sabedoria Divina, a primeira é a capacidade que o homem tem de identificar seus erros e os da sociedade e corrigi-los, é limitada. A sabedoria divina é ilimitada. A sabedoria humana tem um fim. A sabedoria divina é eterna. A sabedoria humana busca seu próprio bem. A sabedoria divina busca o bem de todos. A sabedoria humana é aprendida. A sabedoria divina é um presente para aqueles que têm fé. A Sabedoria divina é a capacidade de aprofundar os conhecimentos humanos.” Cabe-nos a nós escolher qual a profundidade a que queremos mergulhar no conhecimento do que é a Essência do Homem, e uma coisa é certa, quanto mais fundo formos mais hipóteses temos de encontrar o tesouro.

Ser, é observar o que vai no nosso interior, não à tona da água mas sim como quando olhamos para a profundeza de um lago. Olhemos para nós como se fossemos realmente um lago onde cisnes brancos navegam à superfície e onde peixes se refugiam em zonas ainda desconhecidas, lugares onde a luz ainda não conseguiu penetrar. E é exatamente aí que deveríamos passar as nossas férias, a descobrir em nós o que de mais escondido temos, para que a limpeza seja ao mais alto nível. E quando o fizermos os raios de Luz penetrarão e enriquecerão toda a nossa alma. Nestas férias o sol é garantido, assim como, a felicidade, a paz, a harmonia, o Amor… Estas férias serão Eternas e as mais sábias que podemos conquistar na nossa evolução. Encontrar este destino de luxo é um passo para a liberdade do nosso Ser.

Não engane os sentidos com as distrações que a sociedade nos impõe, tente observar o que está por trás e dedique o seu tempo a apreciar o que esteve escondido desde que nasceu, quem realmente é e qual o seu propósito no imenso Universo em que vivemos…

No meu caso em concreto, enquanto procuro o melhor lugar para passar as minhas férias, passo por algumas estradas sem luz, estas fazem parte para chegarmos àqueles lugares escondidos que vagueiam em nós e só quando somos postos à prova é que percebemos a quantidade de engarrafamento que tínhamos para ultrapassar. As estradas de Luz estão no nosso mapa, mas por vezes só queremos viajar pelas secundárias e deparamo-nos com mais sofrimento, mais curvas e contra-curvas. O ideal é que cada vez que percorrermos as secundárias tenhamos a consciência que da próxima vez iremos pelas principais. Aí o percurso não é penoso e as paisagens são absolutamente Divinais!

 

Joana Pereira (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Julho 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: