6.9.13

 

Informação é uma coisa muito importante na vida das pessoas. É ela que tem o poder de mostrar o que nossos olhos não conseguem alcançar. Vital, ela muda os destinos de todos e o caminho do mundo.

Sabendo o que acontece no planeta, podemos tomar nossas decisões de maneira mais responsável. Mas tudo que muda nossa vida também tem seu preço. E no caso da informação, nós estamos pagando um preço alto demais.

Tanta informação, tanta comunicação, tantas coisas ditas e escritas, estão nos levando a exaustão. Mal podemos lidar com nossas guerras internas e todos os dias ficamos sabendo que países estão em guerra. Saber o que acontece em cada canto do planeta está cansando a mente de todos.

Qual seria o limite então? É válido querer saber de tudo, ou tentar ler sobre tudo? A nossa mente está preparada para tanta coisa?

Tudo chega a nós em segundos, mas será que podemos entender as coisas com tanta rapidez? E será que no fundo queremos entender?

Diante de tantas coisas sentimos nossa impotência. Do que adianta ler sobre quantas crianças morrem no mundo de fome, se não podemos ajudar a todas? Aquilo fica como uma espada no coração, não podemos ajudar nem podemos evitar todas as tragédias que acontecem neste planeta, mas, sem querer, aquilo tudo ali nos afeta. É nesse momento que informação demais pode ser considerada tóxica, faz tão mal a saúde como fumar ou beber.

E recebemos informação de todos os lados, a todas as horas. Somos a geração mais bem informada, nunca existiu uma como nós, com tanto acesso ao que acontece no mundo no instante que acontece. E estamos todos cansados. Vejo pessoas que não querem mais conversar nem argumentar, já escutaram demais. Conheço gente que entra em casa e quer ficar em silêncio, não tolera mais nenhum ruído.

É necessário estar bem informado, mas temos que filtrar de um modo ou outro, porque não temos mais como aguentar tantas coisas. Se informar é fundamental, é mais importante ainda não se deixar intoxicar, não somos máquinas que podem estar todo o dia gravando, nem orelhas de plástico que podem estar todo o dia escutando.

Somos seres humanos e precisamos de espaços, tempos e às vezes um pouco de distância deste mundo que gira sem parar. Ninguém precisa se informar sobre tudo para ser feliz, mas estar em paz é necessário para alcançar um pouco de tranquilidade. E se estamos no meio do barulho temos que sair um pouco, depende de nós abandonar tantas coisas que chegam as nossas mãos e dar um basta. Finalmente, ser feliz é o que viemos fazer aqui e ninguém veio até este mundo ler mil jornais todos os dias. Saber o que está acontecendo nem sempre muda nossa vida, mas ser feliz e estar tranquilo muda tudo, para melhor.

 

Iara De Dupont


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: