6.9.13

 

Informação é uma coisa muito importante na vida das pessoas. É ela que tem o poder de mostrar o que nossos olhos não conseguem alcançar. Vital, ela muda os destinos de todos e o caminho do mundo.

Sabendo o que acontece no planeta, podemos tomar nossas decisões de maneira mais responsável. Mas tudo que muda nossa vida também tem seu preço. E no caso da informação, nós estamos pagando um preço alto demais.

Tanta informação, tanta comunicação, tantas coisas ditas e escritas, estão nos levando a exaustão. Mal podemos lidar com nossas guerras internas e todos os dias ficamos sabendo que países estão em guerra. Saber o que acontece em cada canto do planeta está cansando a mente de todos.

Qual seria o limite então? É válido querer saber de tudo, ou tentar ler sobre tudo? A nossa mente está preparada para tanta coisa?

Tudo chega a nós em segundos, mas será que podemos entender as coisas com tanta rapidez? E será que no fundo queremos entender?

Diante de tantas coisas sentimos nossa impotência. Do que adianta ler sobre quantas crianças morrem no mundo de fome, se não podemos ajudar a todas? Aquilo fica como uma espada no coração, não podemos ajudar nem podemos evitar todas as tragédias que acontecem neste planeta, mas, sem querer, aquilo tudo ali nos afeta. É nesse momento que informação demais pode ser considerada tóxica, faz tão mal a saúde como fumar ou beber.

E recebemos informação de todos os lados, a todas as horas. Somos a geração mais bem informada, nunca existiu uma como nós, com tanto acesso ao que acontece no mundo no instante que acontece. E estamos todos cansados. Vejo pessoas que não querem mais conversar nem argumentar, já escutaram demais. Conheço gente que entra em casa e quer ficar em silêncio, não tolera mais nenhum ruído.

É necessário estar bem informado, mas temos que filtrar de um modo ou outro, porque não temos mais como aguentar tantas coisas. Se informar é fundamental, é mais importante ainda não se deixar intoxicar, não somos máquinas que podem estar todo o dia gravando, nem orelhas de plástico que podem estar todo o dia escutando.

Somos seres humanos e precisamos de espaços, tempos e às vezes um pouco de distância deste mundo que gira sem parar. Ninguém precisa se informar sobre tudo para ser feliz, mas estar em paz é necessário para alcançar um pouco de tranquilidade. E se estamos no meio do barulho temos que sair um pouco, depende de nós abandonar tantas coisas que chegam as nossas mãos e dar um basta. Finalmente, ser feliz é o que viemos fazer aqui e ninguém veio até este mundo ler mil jornais todos os dias. Saber o que está acontecendo nem sempre muda nossa vida, mas ser feliz e estar tranquilo muda tudo, para melhor.

 

Iara De Dupont


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: