1.11.13

 

Ouvem-se as pancadinhas de Molière, as pesadas cortinas de veludo vermelho sobem, as luzes quentes e brilhantes iluminam o palco de madeira e é então que entra a primeira personagem:

 

É inegável o seu poder de atração, de sedução, de encantamento... a plateia fascinada fixa cada movimento, cada gesto, sugando cada pormenor suspira deslumbrada. Os seus gestos despertam e impulsionam o desejo em cada um de querer mais… de tocar, de mexer, de penetrar...

- Sensualidade! - diz com uma voz embriagante, viciante.

E com a atenção totalmente recaída sobre si, abandona o palco acompanhada por um suspiro de luxuria coletivo.

 

Com passos firmes e confiantes, outra personagem entra em cena, e berra em plenos pulmões:

- Sexualidade!

Descreve com traços rasgados as suas preferências, confidencia as suas predisposições, sem pudor revela a sua identidade sexual. Todo o seu corpo emana uma energia poderosa que se reflete em todos os seus poros, traduzindo uma expressão, uma vontade, uma necessidade física não deixando qualquer dúvida, o desejo de contacto é total!

 

Vazio mas por pouco tempo, no palco aparece uma personagem desnudada, de olhos libidinosos e boca lasciva. De uma forma explicitamente carnal entende-se de imediato que procura copular com a finalidade de atingir a satisfação, o orgasmo.

- Sim! Relações Sexuais!

O Público manifesta a sua total incompreensão, a falta de entendimento da necessidade de recorrer a varias personagens, que representam e significam a mesma coisa. Mas será que significam? Aos olhos dos leigos até poderá ser, a nível científico provavelmente haverá distinções. As semelhanças e proximidade não significam que sejam a mesma coisa.

 

Quando no final se reúnem, no palco, todas juntas para os agradecimentos finais, aí sim… as diferenças são notórias!!!

 

Susana Cabral


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: