10.11.13

 

Apesar de tudo, que bicho-de-sete-cabeças... Acredito mesmo que não exista tema tão antigo e tão transversal (no sentido de veículo garante de continuidade da espécie humana), que apresente tantos desafios e questões.

A heterossexualidade apresenta desafios. Quer a do próprio, quer a do outro (companheiro, amigo, vizinho, filho, pai e respetivos correspondentes femininos). A homossexualidade apresenta desafios. Mais uma vez, quer a do próprio quer a do outro (a juntar aos exemplos anteriores, a comunidade e a sociedade). Da bissexualidade, então, é melhor nem falar. E não se fala tanto desta porque é difícil até de a entender. Será por isso? Não sei... Uma vez alguém me disse, em contexto formativo no âmbito de Psicologia, que a natureza do comportamento sexual humano insere-se no princípio da busca do prazer. Até aqui tudo bem, penso eu e disto ninguém discordará. A masturbação dá-nos prazer, assim como o sexo com o outro. Não esquecer que mesmo para efeitos procriativos o prazer está presente. Tendo por génese o prazer, como elemento orientador do comportamento sexual, não deveríamos então ser nós bissexuais? Mais uma vez, não sei... A Grécia dos sábios filósofos e o império dos destemidos Romanos já lá vão...

O que temos hoje, então? Ou melhor, o que temos tido nos últimos dois milénios, então? Bem, se calhar temos uma “sexualidade judaico-cristã”. Nunca na história da Humanidade, a espiritualidade (e não religiosidade porque esta intrusão não é exclusiva dos correspondentes dogmas implícitos) tanto se imiscuiu no que se passa atrás de portas e por baixo dos lençóis. Infortúnio? Não sei... pela terceira vez. Afinal de contas o que é que eu sei?

1. Sei que a masturbação não cega ou faz crescer pelos nas mãos;

2. Sei que os primeiros a condenar tudo o que seja sexo são frequentemente os da linha da frente da hipocrisia;

3. Sei que nunca se viveu um tempo tão vergonhoso para algumas instituições sociais, educativas e espirituais, no que a escândalos sexuais diz respeito;

4. Sei que coisas como aceitação, equidade e “mente aberta” em relação à diferença normativa, são uma treta pegada (na generalidade da sociedade falando);

5. Sei que os casais gay/lésbico podem ser tão bons ou melhores pais/mães que alguns casais “tradicionais”;

6. Sei que ninguém tem alguma coisa a ver com o que se passa no quarto do vizinho, se o que lá se passar pautar pelo respeito e acordo mútuo;

7. Sei que o sexo e o ato masturbatório contribuem para o bem-estar físico e mental do indivíduo;

8. Sei que a homossexualidade não se apanha com abraços ou cumprimentos;

9. Sei que não deveria ser motivo de vergonha ter um filho gay;

10. Sei que a liberdade de escolha da orientação sexual é, neste país, uma escolha da liberdade;

11. Sei que, muitas vezes, é difícil falar de sexo com um filho;

12. Sei que a descoberta/utilização da parafernália de brinquedos sexuais existente mantém a sexualidade viva e de boa saúde;

13. Sei que se o meu sogro ler isto, não vai achar grande piada;

14. Sei que ter amigos gay não faz de mim cool ou cosmopolita e “aberto”;

15. Sei que ir a um “bar gay” não faz de mim... gay;

16. Sei que os meus filhos terão uma boa educação sexual, livre de preconceitos e informação errónea;

17. Sei que os meus filhos respeitarão a escolha, a liberdade e a individualidade da vida sexual de cada pessoa;

18. Sei que os meus filhos terão o seu espaço para descobrir a sua sexualidade e preferências na mesma;

19. Sei que os tabus sexuais são apenas fronteiras que ainda não foram, quando muito, abordadas;

20. Sei que o DSM IV-TR, da página 535 à página 582, não constitui uma verdade universal e indiscutível do que lá é tratado;

21. Sei que o sexo é BOM!

 

Rui Duarte


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Novembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: