25.3.09

 


 


- Vou telefonar para lhe contar que…

Parou repentinamente, ficou suspenso como se fosse um títere subitamente abandonado. Depois desceu, lentamente, e ficou sentado na cadeira.

 

Como era possível? Onze meses depois e o seu cérebro, por vezes, persistia, insistia em ignorar a realidade, teimava em não aceitar o que tinha acontecido, o que tinha mudado irreversivelmente.

Porquê? Toda a informação estava lá, tão exacta, clara, brutal e límpida como quando foi guardada: aquele telefonema às oito da manhã, profissional e contido, quase telegráfico, a informar que ela tinha morrido havia meia hora; a primeira vez que os seus olhos perceberam, através de uma porta entreaberta, o seu corpo já sem conteúdo, sem alma, sem calor; o último instante, no cemitério, no qual tomou consciência de que os seus olhos jamais voltariam a recolher, a actualizar aquela imagem.

Ficariam apenas as memórias. Até onde será possível manter as memórias? Como será que o tempo as altera, as desgasta, as corrompe, as corrói?

 

Sabia que aquele lugar ficaria ali, dentro de si, durante toda a vida que lhe sobejava. Pressentia que aquele vazio, aquela solidão que se instalou, estavam para ficar; quanto tempo ficariam? Provavelmente para sempre, até que fosse possível um novo abraço, até ser possível dizer tudo o que ficou por dizer.

 

FCC

 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 11:59  Comentar

De Estefânia a 27 de Março de 2009 às 00:29
Para além da dor, a saudade de quem partiu também é sinal que não esquecemos essa pessoa, apesar do tempo que passa... Não esquecemos do quanto o/a amamos, não esquecemos que essa pessoa existiu e do quanto conseguiu ser importante para nós.

De Susana Cabral a 25 de Março de 2009 às 22:48
A dor da perda de alguém que faz parte da nossa alma, quer ao fim de 11 meses ou de 15 anos domina, por vezes, o nosso cérebro provocando uma insistência e resistência de forma a ignorar a realidade, como que por "magica" se pudesse ter o poder de mudar "... o que mudou irremediavelmente ."
Parece uma mecanismo accionado talvez para nos ajudar a ultrapassar o vazio ou talvez para contribuir para a enorme solidão guardada.
As memórias são para mim uma armadilha por vezes levam-nos ate momentos em que por segundos podemos quase sentir o calor de um abraço ou pode apenas "cruelmente" me fazer saudades do tal abraço que acabei por não conseguir sentir.

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
18
20

22
23
24
26
27
28

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: