15.12.13

 

Liberdade? Ah, tão nobre conceito! Qual liberdade? A que aspiramos ou a que nos aspiram? Liberdade é um mito. Uma ilusão que nos faz correr atrás. O mais livre que concebo é o chamado desapego. Tão na moda! Deve ser coisa dos Universos! Mais parecido com liberdade só conheço as escolhas de não ter preso a mim o que me faz mal. E o preço a pagar por essa liberdade são os olhares incompreensíveis dos outros, que se apeguem a isso tudo. Pois fiquem com os vossos apegos. Adoro desapegar-me, porque me faz sentir livre, mas sei que totalmente livre jamais serei. É o jogo da consequência. Queres liberdade? Tudo bem! Pega lá! Para logo depois ver que essa liberdade nunca é incondicional. É puramente ilusória. Que seja! Pelo menos tento sempre chegar mais longe no espetro da Liberdade. E, sinceramente, não há nada mais libertador que deixar cair o peso dos ombros, muitas vezes camuflados em medos, outras tantas em responsabilidades, culpas, ou até em conceitos convencionais de Ser. Liberdade também é quebrar com tudo isso e ousar. Mas ousar em nós próprios! Virados para dentro! Não só gritar para fora pedidos gastos de Liberdade.

Estás pronto para a Liberdade? Estás pronto para abdicar? Ah, é verdade! Abdicar… Não, deixa estar! Fica para depois a Liberdade!

Estás pronto para mudar de direção? Pronto para deixar cair a máscara a que te apegas tão vincadamente? Pronto para seres verdadeiramente o que anseias ser? Ou preferes o conforto desconfortável do conhecido? Queres ser Livre? Então o que te prende?

 

Cecília Pinto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: