24.5.09

 



 

O telefone toca uma, duas, três vezes. E quando atendemos, a única coisa que corta o longo silêncio é uma breve expiração que chega do outro lado. Apesar de todos os esforços, o silêncio mantêm-se e vai-nos roendo por dentro. Porque é que ninguém fala? Terá sido alguma coisa que eu disse? Terá sido alguma coisa que eu não disse? Terá sido a forma como eu disse alguma coisa? Todas estas questões e muitas mais vêm à cabeça enquanto o silêncio vai persistindo em se manter em linha, e nenhuma resposta parece surgir. Quando o telefone é desligado, uma sensação de alívio pelo desconforto ter terminado mistura-se com um pensamento: “Que mais poderia ter feito para ter desatado aquele silêncio?”.

 

-//-

 

A conversa vai animada, as palavras fluem como um rio, pergunta atrás de pergunta, resposta após resposta. Parece que foi ainda ontem que nos vimos pela última vez, tal o à vontade com que os temas vão desfiando. E de repente surge aquela pergunta que dávamos tudo para que não tivesse surgido: “Então os teus pais? Que é feito deles que nunca mais os vi?”. E um silêncio que parece não ter fim antecede a resposta: “Morreram no ano passado...”. Alonga-se o silêncio por mais um breve infinito, após o qual o desconforto é já demasiado para a conversa voltar a arrancar.    

 

-//-

 

Já lá vão sete anos de casamento e apesar de todos os bons momentos e de tudo de bom que o casamento trouxe, parece que a distância entre os dois vai crescendo inexoravelmente após cada discussão, após cada pergunta que fica sem resposta, após cada dúvida que não é desfeita. E a falta de respostas só vai aumentando as dúvidas, as inseguranças.

Como é que ele não percebe que ao não dar-se ao trabalho de responder às questões, ao não perder tempo a desfazer as dúvidas, ao simplesmente virar as costas e sair em silêncio, está apenas a condenar a relação ao fracasso?

Até onde pode o Amor resistir quando não há comunicação? Quando apenas um dos lados se esforça por esclarecer e conversar e falar sobre o que se sente?

 

-//-

 

Estes três pequenos textos têm apenas o intuito de ilustrar alguns dos efeitos que o silêncio pode ter em cada um de nós, lembrando assim que, por vezes, o silêncio tem tanta importância como a falta dele.

 

Alexandre Teixeira

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 22:36  Comentar

De Susana Cabral a 24 de Maio de 2009 às 23:09
Sem duvida que o silencio é nefasto nos relacionamentos , quando aparece numa conversa ou mesmo quando se tenta estabelecer um dialogo.
O silencio muitas das vezes pode querer dizer falta de coragem para falar, incomodo quando tentamos dar uma resposta e em simultâneo tentamos segurar as lágrimas
O silencio da indiferença ou do comodismo é de facto destruidor.
Existe também o silencio que traduz a cumplicidade, a tranquilidade, o saborear de momentos...
Sem fugir a regra o silencio tem duas fases, o lado bom e lado mau, e um não existe sem outro porque, inevitavelmente fazem parte da mesma moeda.

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
22

25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: