26.5.14

 

A dez mil metros de altitude, acompanhado pela família, viajo para o funeral do meu cunhado. O espaço exterior parece vazio, sem sentido, e um turbilhão de pensamentos torna-me inquieto e confuso. Desvio o olhar mas não sossego. A posição alinhada e rígida dos passageiros naquele espaço limitado é estranha. Para onde vamos todos?

Nariz adunco, cabelo revolto, queixo saliente, sobrancelhas pronunciadas e um pequeno mocho na lapela. Procuro uma falha, uma pequena falha que me diga que não é verdade e observo-lhe as mãos. São os dedos dele e é mesmo verdade, não é?

A igreja da Lomba da Maia é pequena para acolher tanta gente e a religiosidade açoriana faz-se sentir de forma lenta e pesada. Os choros misturam-se com as orações, os abraços e os beijos, as flores e o incenso, por toda a tarde e pela noite fora. São cinco horas da manhã e eu receio pela saúde da minha querida sogra que ainda não parou de chorar e se recusa a abandonar a igreja. São dez horas. Os meus receios aumentam e tornam-se obsessivos. Sete padres oficiam a missa e a música e o coro que nos acompanham, a todos acalma por momentos. Alunos citam Pessoa e declamam poemas escritos para o momento. Começam os preparativos para fechar a urna, voltam os choros, mas a minha atenção concentra-se naquela velhinha frágil que está ao meu lado, quase a desfalecer, e eu sinto-me finalmente capaz de seguir uma linha de pensamento coerente. Volto a encontrar-me neste desencontro entre a vida e a morte. Somos fogos-fátuos iluminando e recebendo luz intermitente. Sem ela não existiríamos e, por cada luz próxima que se apaga, morremos um pouco de escuridão e falta de propósito para a nossa própria luz.

A urna desceu à terra ao som da “Pedra filosofal” e sinto que, apesar das lágrimas, o meu luto vai começar. Se bem o conheço, consigo antever por onde se espalharão as suas moléculas. Azáleas e hortênsias, golfinhos e cachalotes, plantas do chá e criptomérias, e mochos, muitos mochos, serão os felizes contemplados. E pela primeira vez voarão açores sobre as nove ilhas dos teus queridos Açores.

 

José Quelhas Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Maio 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: