4.3.15

MulherEmBicicleta.jpg

 

À medida que vamos crescendo, a vida, mais pequeno incidente ou menos leve angústia, é fácil. Apesar das dificuldades, enquanto somos novos e sabemos o que faremos amanhã, a vida é fácil. Enquanto caminhamos sobre o apoio que nos diz o que somos e fazemos, é fácil. Escola, escola, escola, universidade talvez – mas, e depois? Há quem tenha claramente planeado a jornada que para si deseja, e há, também, quem se sinta perdido. Perdido, porquê? Porque não sendo estudante nem trabalhador, não desfrutando de sonhos nem lutando por eles, carece de amparo perante os ventos que o abalam. Mas não sendo isto nem aquilo, somos sempre mais.

Assim, quem trabalha tem, por outro lado, a tendência a criar com a sua profissão uma relação quase simbiótica. Consequentemente, sem o trabalho perder-se-ia a si mesmo. Sem dúvida que as exigências e a competitividade do mercado de trabalho, hoje em dia, gritam e arranham para que trabalhemos sempre mais e mais, sussurando camufladamente para que nos esqueçamos de nós próprios. Sem dúvida também que, por muito que o que fazemos nos comece a causar dor, queremos, acima de tudo, a oportunidade de continuar a fazê-lo e de extrair, do dia-a-dia cansativo, os possíveis e indispensáveis benefícios. Mas há que pensar que é para viver que vivemos e que enquanto uma profissão é uma profissão apenas, cada um de nós é bem mais do que isso.

Torna-se difícil não estudar nem trabalhar e não ter, assim, uma rotina que segure o dia-a-dia e que nos iluda de que somos o que fazemos. Contudo, aos poucos, vamo-nos apercebendo das capacidades do nosso ser e das potencialidades do que há de mais singular no nosso caráter. Então começa a haver algo mais – mais um apoio, mais uma pedra onde agarrar a mão que escorrega. Ora, mesmo quem imerge demasiado no trabalho e não procura estes outros apoios no mundo, precisa, por vezes, de um escape, de um outro ar, puro e verdadeiro – e então custa a encontrá-lo. Mas existe.

Definimo-nos pela profissão que temos; dispensamos procurar-nos mais para além. Imergimos mais e mais, pois a cada mês, a cada ano, somos mais aquilo que outra coisa. Mas cansa. Não vemos outra opção que não um esforço exponencialmente crescente, mas cansa. E se por ter profissão estamos a salvo da vida e dela nos isolamos, a vida não nos salvará da profissão quando para além dela não nos soubermos já reconhecer. Todavia, estamos cá, e seremos sempre mais que o que fazemos.

 

Isabel Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: