31.7.09


 

Acreditemos na suposta verdade de que amor e ódio, sendo sentimentos opostos, se aproximam.

Senão vejamos:

A complexidade de ambos torna-os difíceis de entender, de definir, …

Sentem-se, tão simplesmente!

Intensos, poderosos, são capazes de enaltecer, de derrubar, de ferir, humilhar, de fazer sofrer profundamente. Atrever-me-ia mesmo a dizer que são capazes de destruir.

De forma diferente? Sim! Não! Talvez!

E permanece … a certeza?... de que são opostos, mas, muitas vezes, associados.

 

Existem sempre probabilidades de se odiar, quando se amou, sem receptividade, ou quando algo ou alguém foi oposição; amar depois de odiar? Sim! Porque, inconscientemente, esse ódio nasceu da sensação de abandono, da ânsia e da espera por um amor que tardou …

Aceito que assim seja.

 

Pode relacionar-se amor e ódio? Sim! E, mais facilmente, pode-se desassociá-los, vendo o amor como um sentimento nobre, sublime; um sentimento que enaltece, que venera; um sentimento que é luz, que “investe” na tolerância, na concessão, na justiça; um sentimento intenso, de força inabalável.

O ódio, como um sentimento perigoso, destruidor, ávido de vingança… um verdadeiro impedimento à vida feliz!

O amor desconhece a razão!

O ódio é a razão perdida!

 

Nem sempre é possível amar, reconhecendo os defeitos da pessoa amada, nem odiar, reconhecendo as qualidades da pessoa odiada!

 

Ana Santos

(Imagens: O Amor, de Kahlil Giran; O Ódio, de José Luis Fuentetaja)

 
Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

De ©Marcolino Duarte Osorio a 1 de Agosto de 2009 às 00:14
Olá CC,

O próprio ódio...

Fim-de-semana tranquilão!

De Cidália Carvalho a 31 de Julho de 2009 às 22:33
Olá Marcolino!

O que é que se amputa quando se passa do ódio ao amor?
Não nos quer explicar melhor o seu ponto de vista?

Fique bem!

De ©Marcolino Duarte Osorio a 31 de Julho de 2009 às 00:41
Passar do Amor ao Ódio, é doença pura! Passar do Ódio ao Amor é amputação...

Gostei deste seu discernimento!

Marcolino

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: