14.8.09

 


 


Na enfermaria, o som do televisor impõe-se abafando algum queixume de um ou outro doente mais sofrido. As imagens que se sucedem ajudam os doentes a não pensar, aliviam o sofrimento.

Com ele é diferente, esta diversão não resulta. Em boa verdade nem se dá conta do lugar onde está; estar ali, em casa ou em qualquer outro sítio é-lhe indiferente. Não quer estar em lugar nenhum.

O seu olhar fixa-se na janela da enfermaria. Está muito perto, porém é incapaz de percorrer essa distância que o ligaria ao mundo. As pernas recusam-se a mexer, ao seu corpo inerte falta-lhe vontade, comando. Ir até à janela exige ânimo. Ânimo, é a alegria de que precisa para expulsar a tristeza que o mata. Mas, para ele, ser alegre não é fácil. Se ao menos acreditasse que existe uma felicidade eterna!... Mas de eternidade, a única coisa que conhece é a tristeza que teima em estar. Leu algures que a alegria não está nos outros nem nas coisas, a alegria está em nós, temos que procurá-la no nosso interior. Procurar em nós?! Mas onde e como pode procurar-se uma coisa que não se conhece?

 

- Então João, é hoje que aceitas sair comigo? Se quiseres até peço autorização para passear contigo sem bata, fico mais bonita. Vamos dar uma volta no jardim?

Olhou-a sem entusiasmo. Não rejubila com estas manifestações de carinho e isso ainda o entristece mais. Se ao menos conseguisse sorrir-lhe, ainda que um sorriso triste!... Mas triste mesmo, é ele não ter sorriso.

Se alguma vez conseguir sair daquela prisão será com ela que dará o primeiro passeio pelo jardim; é-lhe devido esse prémio. A enfermeira Ana esforça-se, nota-lhe uma preocupação autêntica e tem esta maneira engraçada de tentar estimulá-lo.

 

- Pode morrer-se de tristeza?

A pergunta sai-lhe sem a sua autorização. Não devia preocupá-la ainda mais...

A ela, não a apanha desprevenida. Lembra-se, quando andava a tirar o curso, de ter estudado casos em que os bebés, por não receberem afecto e carinho, por falta de colo, entram num marasmo que, lentamente, os vai matando. Na sua vida profissional já acompanhou outros casos em que as pessoas por inércia se deixam morrer.

A resposta à dúvida que ele não tem é dura mas verdadeira.

- Então, porque não morro eu?

- Porque eu não quero! Tudo farei para que vivas!

Antes de se afastar ainda lhe sorriu carinhosamente.

 

Fecha os olhos, recolhe-se ainda mais no seu íntimo, mas desta vez não para se isolar do ambiente que o rodeia, mas para saborear o ligeiro adocicado daquele sorriso.

No seu isolamento consegue ver que a alegria afinal tem um lugar dentro dele, está ali mesmo em frente à sua tristeza. Enfrentam-se num duelo em que a última tem levado a melhor sobre a primeira, provavelmente continuará a ser assim, mas neste momento a distância que o separa da alegria ficou ligeiramente encurtada.

 

Cidália Carvalho


(A todas as enfermeiras, em especial à minha amiga Ana Rita)

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 18:08  Comentar

De Cidália Carvalho a 25 de Agosto de 2009 às 12:49
Olá Marcolino!
É bom tê-lo de volta. Pena que o seu problema de saúde se arraste por tanto tempo mas se esse tempo é necessário para resolver então reuna toda a sua paciência porque o que importa é resolver demore o tempo que demorar.

Culpa por o seu amigo ter tomado a decisão de pôr fim à vida!....
Eu compreendo a que culpa se refere mas no limite cada um é responsavel pela sua própria vida, as decisões pertencem a cada um, nós podemos lamentar o resultado dessas decisões mas pouco mais do que isso.
Se nós nos mostramos atentos ao sofrimento do outro, se nos mostramos compreensivos, se transmitimos o nosso afecto e demos a nossa disponibilidade, se apesar disso alguém decide partir, então só podemos lamentar essa decisão mas nunca culpa.

Fique bem!

De ©Marcolino Duarte Osorio a 25 de Agosto de 2009 às 00:25
Olá, CC!
Morrer-se às própria mãos, sob os efeitos secindários da tristeza, já vi um amigo sucidar-se, e eu, bem perto bem longe, desesperado, sem nada poder fazer, para que ele não consumasse, daquela forma, o seu desprezo total, à sua própria Vida!
Ele morreu! E eu fiquei, durante tempos infindos, com o sentimento de culpa, por não o ter podido travar...!
Se o apanhasse vivo, de novo, dava-lha um estaladão e pêras, apesar de não o fazer sentir o mesmo, que me fez sofrer, durante mais de uma década!

Estou de volta, mas só para finais de Setembro é que as coisas, saúde, estarão endireitadas!

Marcolino

De Aníbal V a 19 de Agosto de 2009 às 23:58
- Pode morrer-se de tristeza?
Não sei. Mas sei que a tristeza ajuda a morrer.

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: