13.10.09

 


 

A velhice, sendo o período da vida no curso do qual algumas funções diminuem progressivamente, é um acontecimento incerto, porque não se sabe se a pessoa viverá até ficar velha.

 

Simone de Beauvoir fala da velhice como um conceito abstracto, uma categoria socialmente construída que serve para referir o período de vida em que as pessoas ficam velhas. Enquanto estereotipo facilmente reconhecível, enquadra uma categoria de indivíduos cujas características relativamente homogéneas, são normalmente identificadas com o isolamento, solidão, doença, pobreza e mesmo exclusão social. Contudo, ao atingir a fase final do ciclo de vida, o que a maioria de nós espera é envelhecer com segurança, dignidade e que continue a participar na vida em sociedade e exercendo os seus direitos.

Apesar disso, podemos verificar que estas pessoas dispõem hoje de maiores possibilidades de sobrevivência, têm mais saúde, mais meios económicos, culturais e sociais, maior difusão de infra-estruturas de apoio médico e maior diversidade de terapêuticas. Como consequência, gozam de mais anos para viver. São portadores, também, de um capital de informação incomparável que, se o valorizarmos, terá maior impacto nas gerações mais jovens.

Mas o que é então ser velho nas sociedades modernas? A velhice como categoria social pode dizer-se que ficou institucionalmente fechada nas fronteiras de um limiar de idade fixo, cujo acesso é reforçado pela detenção de uma pensão de reforma. Sendo esta – a reforma – também uma forma de exclusão social quando atribui o estatuto desvalorizado de “reformado”.

 

Dizem que ser velho é ser lento, sem memória para as coisas do dia-a-dia, refilão, triste, aborrecido, enfim… um chato! Mas… não! Ser velho, apesar de ser idoso e ter saber de viver, é chegar onde, provavelmente, muitos nunca chegam.

Ser velho é ser solidário com os mais novos, ter mais paciência para as crianças, é ser feliz por pertencer aos filhos, aos netos, aos outros, é ter a idade da inocência, do saber das histórias, aquelas que a vida ensinou, é ter a sabedoria de todos os almanaques do mundo.

Ser velho é ser maior, é ser amigo, é ter um brilhozinho nos olhos por ver os outros felizes e dizer que ama mesmo sem receber nada em troca.      

Ser velho é uma meta para todos nós, mas nem todos lá vamos chegar.

Que pena não ter a certeza de um dia ser velha!!

 

Ana Santos


 

Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:50  Comentar

De Cidália Carvalho a 13 de Outubro de 2009 às 20:41
Marcolino,

E que lindas são as suas fotografias, passo por lá muitas vezes!

Fique bem.

De Marcolino - Fotografia a 13 de Outubro de 2009 às 16:15
Olá, Ana!
Adorei este seu artigo, e adorei saber que também lê, tal como li, logo no incio dos anos 60, Simone de Beauvoir!
Sou um velho, mas daqueles velhos que sabe de onde veio, e até onde pode ir, sem importunar, familia, amigos quiçá conhecidos, desejando sempre ser autónomo e independente.
Quão velho serei eu? Minha Vida é um puzzle de vivências diárias, em que cada dia é uma pecinha que se encaixa, dentro das suas medidas, nas anteriores. Quantas peças tem já meu puzzle? Apenas lhe darei a saber se souber multiplicar os 365 dias de cada ano por 67...!
Adoro a minha velhice. Amo todos os que me rodeiam. Nunca me senti excluido, e jamais sobrestimado.
Vivo sem passado, porque a isso me determinei, para assim poder ser um velho, capaz de entender, os jovens e as suas vivências actuais!
Dedico-me a mim mesmo. Dedico-me ao Voluntariado. Dedico-me à fotografia, em fim, dedico-me, a tempo inteiro, à minha Velhice!
Abraço
Marcolino

De Diogo Ricou a 13 de Outubro de 2009 às 11:25
Gostei muito do artigo e queria aqui deixar uma definição de avó que gostei particularmente, penso que foi recolhida de um conjunto de respostas de crianças: Uma avó é uma mulher que não tem filhos, por isso gosta dos filhos dos outros. As avós não têm nada para fazer, é só estarem ali. Quando nos levam a passear, andam devagar e nunca pisam as flores bonitas, nem as lagartas. Nunca dizem despacha-te!. Normalmente são gordas, mas mesmo assim conseguem apertar-nos os sapatos. Sabem sempre que a gente quer mais uma fatia de bolo ou uma fatia maior.As avós usam óculos e às vezes até conseguem tirar os dentes. Quando nos contam histórias, nunca saltam bocados e nunca se importam de contar a mesma história várias vezes. As avós são as únicas pessoas grandes que têm sempre tempo. Não são tão fracas como dizem, apesar de morrerem mais vezes que nós.Toda a gente deve fazer o possível por ter uma Avó, sobretudo se não tiver televisão.

Diogo Ricou

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: