28.10.09

 


 


Foi num fim de tarde de Agosto. Num dia daqueles em que o sol raia de tal forma intenso que reflecte no chão e faz doer os olhos mal se sai de casa, torna o ar tão pesado que é preciso respirar fundo para conseguir que ele entre pelos pulmões e areje os brônquios e os alvéolos.

Foi num desses dias que eu o vi pela primeira vez. Tinha acabado de sair de casa para me sentar no banco de jardim em frente, com um pão com marmelada numa mão e um copo de leite na outra, os olhos apenas ligeiramente abertos para me proteger do sol e ainda a ouvir as recomendações da minha mãe “Joana: não vás para longe!”.

 

Mal me sentei ouvi o chiar da cadeira… depois o arfar ofegante do que me pareceu ser uma pessoa num extremo sofrimento. Fiquei assustada, deixei cair o pão, levantei-me do banco de repente e corri para dentro do portão da entrada onde fiquei à espera… Continuava a ouvir o barulho que depois percebi ser o som da respiração de alguém, alguém em esforço. O som cada vez mais intenso, cada vez mais forte, aproximava-se… De repente ele passou. Eu, do lado de dentro do portão, encolhi-me, mas não fui capaz de fugir. Fiquei ali a olhar, aterrorizada… E ele passou… Devia ter aí uns 45 anos, tinha uma pele escura queimada pelo sol, o tronco e o pescoço largos, uns braços enormes que balanceava para trás e para a frente agarrando as rodas da cadeira. A cada movimento soltava um gemido, com os dentes cerrados e o suor a escorrer em bica pela testa. Encolhi-me mais por trás do portão e espreitei por baixo para ver melhor… Vestia uma t-shirt de alças, gasta, e uns calções azuis que cobriam o início das coxas. A certa altura estas desapareciam e o que sobrava dos calções abanava com o resto do seu corpo à medida que a cadeira de rodas progredia no passeio. Passou por mim sem parar. Desviou ligeiramente o olhar do caminho, os nossos olhos cruzaram-se e esboçou um sorriso. Rapidamente olhou novamente em frente e continuou com determinação o seu caminho.

 

Eu permaneci imóvel enquanto olhava o seu (“meio”) corpo enorme na cadeira a desaparecer ao longe, o som cada vez mais baixo da sua respiração ofegante, ficando para trás apenas o chiar das velhas rodas de ferro.

 

Joana Gonçalves
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 13:41  Comentar

De Videos a 4 de Novembro de 2009 às 13:03
Bionic Man ...

De Marcolino - Fotografia a 29 de Outubro de 2009 às 00:28
Joana,
Belissima capacidade descritiva!
Abraço
Marcolino

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: