30.1.10

 


 


Num copo que repousa sobre a mesa, vêem-se algumas pedras de gelo. Um ambiente em que o ar rarefeito é partilhado por várias personagens reais. Estas são distintas na sua aparência e em comum apenas o cansaço após um dia de trabalho.

 

“- É hoje! Tenho a certeza que vai ser hoje que a minha maré de azar vai terminar!”, pensa um indivíduo de olhos encovados que bate nervosamente com os dedos em cima da mesa, demonstrado total impaciência no revelar do naipe de uma nova carta.

 

“- Eu sou o melhor! Caramba, como sou bom! Ganhei já três vezes seguidas! Na próxima tenho de apostar tudo e vou voltar aos bons velhos tempos… Ah, dinheiro na carteira!”. A excitação é visível naquele rosto demasiado pálido, sobre um corpo demasiado impaciente que mal consegue manter-se quieto.

 

“- Não! Eu não deveria estar aqui! Eu prometi! Eu dei a minha palavra de honra que não voltava… mas seguramente que me perdoa quando vir o pequenino PC que lhe vou comprar com o dinheiro que vou ganhar”. Um olhar vidrado mira estaticamente a roleta, aguardando e pedindo para a bola parar no número e na cor que ela tanto precisa, para obter o perdão por ter faltado ao prometido.

 

“- Quanto? Quanto mais poderei apostar desta vez? Vou arriscar e apostar a prestação da casa e, com um golpe de sorte, ganho e pago as duas mensalidades que já se em encontram em atraso. É isso! …”. Um pensamento que berra por uma boca cerrada.

 

Seja qual for o pensamento, a ilusão que se utiliza, ou o engodo, a verdade é que aquele que vive dependente vai sempre encontrar uma justificação e uma fantasia capaz de sustentar uma vontade que se torna irracional, apoderando-se de todos os sentidos, fazendo dele viciado.

 

Susana Cabral


 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 15:30  Comentar

De Cidália a 1 de Fevereiro de 2010 às 21:32
Não variam muito as razões que cada um arranja para justificar o seu vicio, mas por quanto tempo o argumento serve de justificção?

De Susana Cabral a 1 de Fevereiro de 2010 às 19:50
Obrigada José

Por palavras tão amáveis

De José Quelhas Lima a 1 de Fevereiro de 2010 às 01:06

Texto excelente, na forma e no conteúdo. Parabéns!

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
29

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: