2.2.10

 


 


Há almas que são natural e constantemente boas, ou seja, bondosas. Como a palavra indica, quase só têm sementes do bem dentro dos seus corações. Não quero com isto dizer que também existam almas que só sabem utilizar a maldade... Digamos que essas são almas sofridas...

A bondade é espalhada por aqueles que amam, que não pensam só em si, mas também nos outros, por aqueles para quem a felicidade só pode ser completa com o acto de dar: dar afectos, dar palavras de consolo, dar um olhar de preocupação, dar um prato de sopa, dar um abraço... enfim... dar uma semente que possa desabrochar em sorriso e esperança.

 

Não resisto a colocar aqui um excerto de uma grande obra – O Principezinho, de Exupéry: “Este homem é bem capaz de ser disparatado. Mas é bem menos disparatado do que o rei, do que o vaidoso, do que o homem de negócios e do que o bêbedo. Ao menos o trabalho dele tem um sentido. Quando acende o candeeiro, é como se fizesse nascer uma estrela.” É assim que considero uma pessoa bondosa no nosso mundo: um acendedor de candeeiros, ou de estrelas, um agricultor de sementes de esperança e felicidade, uma pessoa com o dom de fazer do outro um ser humano único e especial, porque foi notado, porque foi olhado, porque foi amado.

 

Ana Lua


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 22:30  Comentar

De Cidália a 4 de Fevereiro de 2010 às 21:58
Bem encaixado o Principezinho!
Mas com a qualidade daquela obra ele encaixa bem em qualquer sitio.
Bjnh

De Ana Lua a 4 de Fevereiro de 2010 às 18:44
Obrigada Joel pelo teu carinho.
Tu és uma pessoa bondosa que persegue a paixão de acender estrelas e de as fazer brilhar.
Obrigada!
:-)

De Joel a 3 de Fevereiro de 2010 às 18:30
Dito assim a bondade até parece coisa simples. E é. Gostei muito.
Beijinho.

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: