23.2.10


 


- Foram quase dois anos de luta intensa, mas posso dizer que ganhou; por isso está de parabéns! Compreendo que não se sinta capaz de voltar à sua vida normal, mas esse é o passo seguinte – e tem de o dar. É agora necessário e importante retomar as actividades, as responsabilidades, o trabalho. Deverá fazê-lo com calma, mas com determinação. Tudo irá correr bem.

 

Foi isto que ele disse e eu concordei com ele. Mas na prática… bom, na prática até sentia vontade de voltar à “normalidade”, mas parecia-me tratar-se dum esforço demasiado. Sabia que a minha família apoiaria.

É certo que começando, uma coisa leva à outra, mas o que mais receava era a reacção dos meus colegas de trabalho. Receava que começassem a vir um após outro, como vespas à volta do mel, fazer perguntas, saber detalhes, satisfazer curiosidades, procurar entrelinhas onde ler como de facto eu estava, mostrar falsos interesses, fazer falsos sorrisos, simular preocupação, carinho e disponibilidade, apenas para ficarem bem no retrato tirado por uma câmara que apenas existe na imaginação deles. Iria ser tão cansativo!… E seria alvo dos mais diversos juízos de valor, certamente vista com olhos de pena, de comiseração, de coitadinha pelo meu infortúnio. Como se eu tivesse algum exclusivo – mas é sempre bom pensar que as coisas apenas acontecem aos outros, o que acaba sempre por nos tranquilizar. Mas o lugar dos outros acaba sempre por ser também nosso e isso, eu tinha acabado de aprender. Talvez algum se mostrasse indiferente; pelo menos esse não me aborreceria, poupando-me à infindável repetição dos dois últimos anos da minha existência. Mas essa indiferença, não me magoaria?

Certo é que ficaria exposta, muito exposta, pelo menos durante algum tempo – demasiado tempo.

 

A exposição era, e é, vista por mim de forma traumática desde que a D. Aurora, a minha professora de quarta classe pediu aquela redacção sobre a “solidariedade”. Mas que raio de palavra era aquela!? Que raio quereria ela significar? E sem procurar saber, inventei. E como inventei… E como chorei… Ainda sinto como cruel a leitura que ela fez, em voz alta, da minha invenção. Ainda vejo e ouço, bem altos, os risos.

Não, não gosto de exposição, não gosto de ser o centro das atenções, sobretudo por más razões.

 

Mas quando voltei ao trabalho, frágil, sem qualquer couraça protectora e esperando o pior, fui surpreendida – muito surpreendida. Não apareceram os olhares, os interrogatórios, as atitudes que tanto receava. Em seu lugar houve simples cumprimentos, manifestações de agrado pelo meu regresso, que senti genuínas e sinceras, e uma vontade espontânea de me informarem das alterações, dos novos procedimentos, de me ajudarem a recuperar o meu lugar, a sentir-me bem, desejada e acolhida, de me integrarem. Senti os meus colegas solidários comigo – agora que já sei o que “solidariedade” quer dizer.

 

FCC


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: