20.4.10



 


Sou jovem, nunca me morreu ninguém que amasse; já tive medo que isso acontecesse, mas não é a mesma coisa; a minha profissão também não me coloca em contacto com a morte. À minha volta, a morte não é um assunto presente. Parece-me que isto acontece com a generalidade das pessoas; diria que a morte é algo de que nem sequer nos lembramos no dia-a-dia, ocupados com a tarefa de viver. Por isso não diria que é um tabu - nada tem de interdito, de transgressão, de moralmente chocante; de todas as realidades, a morte, o grande destino comum, é, com certeza, uma das mais consensuais.


Ao nível macro, não é difícil falar de morte. Quase todos os dias há notícia de mortos pela guerra, danos colaterais ou mortos pela fome; mais do que a morte em si, as circunstâncias poderão chocar; os ilustres também morrem de vez em quando na televisão e facilmente a reacção a estas notícias é de algum pesar. Nos últimos tempos tem-se intensificado a discussão de questões adjacentes à morte, como a eutanásia, a distanásia, o suicídio ou a importância dos cuidados paliativos. Somos capazes de reconhecer em algumas religiões, práticas espirituais e alguma poesia, pelo menos, a recomendação da consciência de que vamos morrer um dia como essencial para uma vida melhor vivida.


 


Mas é verdade que estamos habituados a associar à morte temor e sofrimento, só mitigáveis através de uma fé. Seja pelo término da vida que se conhece e o absoluto desconhecido que se segue; seja pela dor da perda alguém querido; seja pelo receio de sofrer ou ver sofrer até à consumação da morte; seja por receio do julgamento final, o divino ou o próprio.             


O que poderá fazer da morte tabu, como assunto de que é difícil falar, não será a morte em si mas o facto de acontecer em casa - de se tratar da nossa morte, da morte de alguém que amamos, ou da morte que faz sofrer alguém que nos é querido - e de nos obrigar a abrimo-nos profundamente; é a aproximação à intensidade de sentimentos que lhe está associada, em que as referências deixam de servir e nós deixamos de estar no comando. O tabu da morte é o tabu da entrega absoluta.


 


Ana Álvares


 


Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: