3.5.11

 

Caminham em silêncio, de mãos dadas. Um silêncio povoado de afectos que elas não querem quebrar. De vez em quando as mãos apertam-se para se sentirem mais próximas, para avalizarem o carinho que as une.

Sentam-se no único banco livre, bem no centro do jardim, junto ao lago onde patos e cisnes deslizam por entre os nenúfares que cobrem as águas sujas e esverdeadas. Coabitam com os peixes avermelhados que só são visíveis nas águas turvas quando iluminados pelos raios de sol que atravessam a folhagem das árvores e vão dar vida ao lago. O velho plátano, hoje como há muitos anos, serve-lhes de guarda-sol. Os seus ramos, numa dança incessante, de cá para lá, de baixo para cima, tocam-nas, envolvem-nas e oferecem-lhes um presente da sua própria criação – depositam no regaço da mulher mais idosa uma folha.

As mãos separam-se.

A mulher pega a folha e fá-la rodopiar nos dedos desenhando círculos no ar. Observa-a! Primeiro de um lado, deixa-se impressionar com a cor intensa do verde, depois vira-a e o verde-claro, tão claro que mais parece branco, intriga-a, o mesmo ser com duas cores, duas faces. Observa-lhe o pé, o elemento que a prendia à vida mas que faliu e a deixou à deriva. Cumpriu o seu ciclo, caiu. Mas, terá mesmo cumprido o seu ciclo? Será aquele o seu fim?

 

O seu pensamento salta de pergunta em pergunta, confunde-se com a folha e as interrogações que a invadem são já sobre a sua própria existência. 

Mexe-se no banco para afastar o incómodo que a invade. Sacode o regaço. A folha cai abandonada no chão. Arrepende-se do gesto irreflectido e quer apanhá-la de novo. Esgota-se a tentar resgatá-la ao vento que, brincalhão, a sopra para perto, para de seguida a afastar para mais longe. Desiste, já não se sente com forças para brincar com a força do vento.  

Lamenta o quanto não terá perdido pela vida fora por gestos repentinos e impensados. Assalta-a um desejo penoso -  ter vinte anos e saber o que sabe hoje! É um desejo incompreendido, ninguém lhe pergunta o que é que apreendeu, ninguém quer saber se ela tem alguma coisa para ensinar. E no entanto aprendeu tanta coisa que poderia partilhar!...

Aprendeu que não existem relacionamentos sem respeito, que a felicidade se sustenta em laços apertados de afectividade, que a compaixão aproxima, que todas as pessoas vivem no desejo de serem compreendidas, aceites, amadas.

Aprendeu a viver como ser livre que é.

 

A jovem sentada ao seu lado brinca com as suas mãos. Aperta-lhe ligeiramente a pele e observa as pregas que se vão formando. A ausência de poros dá-lhe um aspecto plastificado. Ainda se lembra de as ver com os dedos pontiagudos, finos e bem torneados, de pele branca, quase transparente. Já não são como antigamente, porém ricas de experiência. As pregas e as manchas contam uma história, a história da sua vida.

 

Finalmente o silêncio é cortado.

- Foi aqui neste jardim, que o teu avô me pediu em casamento. No meu tempo este era o jardim dos namorados.

A neta olha-a com tristeza.

- Sabes avó, gostaria que sentisses que este também é o teu tempo.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

De João Sá a 4 de Maio de 2011 às 13:26
Boa tarde! Este post está em destaque "Na Rede" na homepage do SAPO Angola (http://sapo.ao)

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: