18.1.09

 


 


- Ser feliz. Esta é a resposta mais frequente à pergunta: - O que esperas desta vida? Ou à pergunta: - O que mais queres na vida?


 

Quando nascemos existem muitas promessas que nos são feitas, mas existe apenas uma que, com toda a certeza, vai ser cumprida - a de que iremos morrer.

Perante tal promessa, a procura constante e incessante da felicidade passa a ser o objectivo principal da nossa existência.

Começamos por procurar em grandes coisas, aquelas que se manifestam de uma forma exuberante, que nos deixam estarrecidos e sem fôlego mas não deixam de ser efémeras e passageiras.

Procuramos em momentos com significado, que com o tempo se tornam insatisfatórios. A nossa busca lança-nos em várias direcções, vários caminhos, sempre com o mesmo intuito - o de encontrar a nossa felicidade. Quantos caminhos foram percorridos até ao final? Quantos são apenas planeados? De quantos desistimos? E quantos foram um erro?

Com toda a determinação queremos que a felicidade esteja em determinado sítio, com determinada forma, e nunca deixa de ser com tristeza que nos consciencializamos que a felicidade não está quando queremos, como queremos e onde queremos.

 

A necessidade de sermos felizes é sem duvida o motor de todas as nossas acções, mas a vida prega-nos partidas. Passamos pelo tempo quase de uma forma indelével, com preocupações incrivelmente distantes da essência da própria felicidade. Vemo-nos absorvidos com o dia-a-dia de chegar aqui, passar por ali e ir acolá... De fazer isto e aquilo... E a vida passa.

 

Mas o que queremos é ser felizes e encontrar a felicidade...

Então, não deixa de ser sempre com surpresa quando, em determinado caminho, nos damos conta que somos felizes... E que já somos felizes há tanto tempo!!!

O aqui, o ali, o isto e o aquilo, cegam-nos, impedem-nos de ver com nitidez o que nos rodeia e de ver que já encontramos a felicidade num amor da adolescência, que dura até aos dias de hoje, ou naqueles olhares inocentes, incrivelmente característicos das crianças.

Talvez não necessitemos de procurar a felicidade, precisamos apenas de reconhecê-la quando já a temos.

 

Susana Cabral

 

Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:52  Comentar

De Susana Cabral a 7 de Março de 2009 às 22:13
Pois ate pode ser ou parecer muito simples... a heroína leva-nos com toda a certeza a sentir uma falsa felicidade e essa sim momentânea e sem qualquer conteudo.
O nirvana, a felicidade suprema pode ser considerado uma utopia ou apenas a discrição num livro de filosofia.
A natureza humana tem uma característica que, possivelmente nos torna incrédulos e nos faz ver a felicidade eterna como uma "ficção", a constante insatisfação.
Então por muito que consigamos na vida parece sempre insuficiente e a busca por mais e melhor pode nos tornar insensíveis e incapazes de avaliar a felicidade que já alcançamos e que já nos pertence.

De Vicente a 2 de Março de 2009 às 00:16
O Nirvana? A felicidade suprema? Liberalizem e tornem gratuita a venda de heroína. Mais simples não há .

De Aníbal V a 30 de Janeiro de 2009 às 11:36
Cara Susana: Uma coisa é o que digo, outra é o que quero dizer!!?? Processos de intenções?

De Susana Cabral a 30 de Janeiro de 2009 às 11:07
Pois para mim, esta enganado.
Não no que diz mas no que quer dizer, acredito que podemos estar felizes e não ser feliz, tal como acredito que podemos ser felizes.

De Aníbal V a 29 de Janeiro de 2009 às 14:09
Contrariamente a outras línguas, o português separa claramente o ser do estar.
Assim, ser remete-nos para o estrutural, para o permanente, enquanto o estar refere-se ao conjuntural, ao temporário, ao transitório, ao efémero, ao que se altera.
A felicidade, tema trazido neste post, é um sentimento.
Sendo um sentimento, é algo que é experimentado, de forma tendencialmente transitória, logo tem a ver com o estar e não com o ser.
Ninguém é feliz de modo estrutural e permanente; não se trata de uma questão de carácter, mas é função das circuntâncias e da forma como elas são vividas interiormente por cada um.
Ninguém tem um sentimento de forma estrutural e permanente; por mais que seja longo o tempo que o experimenta.
Penso que os prezados comentaristas anteriores não atenderam à natureza sentimental da felicidade e não distinguiram o ser do estar.Ou estarei enganado?

De Filipa Rocha a 21 de Janeiro de 2009 às 12:10
Acima de tudo eu penso que a maior parte de nós deixa passar momentos de verdadeira felicidade entre planos e estratégias para o dia seguinte, o mês seguinte e ano seguinte... a vida seguinte! A felicidade está permanentemente nas coisas simples, não nas coisas fúteis, não é, como diz a Cidália, o conforto da bebida quente ou o cumprimento da vizinha do lado. Eu sinto-me feliz por viver, por amar, por ser amada. A bebida quente e a amabilidade dos vizinhos o máximo que fazem é dar contentamento... nunca felicidade!!!

De PRM a 21 de Janeiro de 2009 às 11:55
Nao concordo nada com o comentário da Cidália mas sim com os restantes comentários.
Porque eu posso estar a passar um momento muito complicado da minha vida ( o que é o caso) e não ser feliz o que não invalida que às vezes esteja feliz. Passo um momento complicado porque era feliz, já não sou mas espero voltar a ser.

De Liliana Magalhães a 21 de Janeiro de 2009 às 11:40
Acho que realmente se é feliz e não se está, vai um pouco das opções que se toma ao longo da vida de cada um. Não acho que a felicidade seja um estado.

De Cidália a 20 de Janeiro de 2009 às 23:59
Olá RP.
Estar recorrentemente feliz significa estar feliz com frequência. Penso que mesmo aqui, nesta situação, se "está" e não se "é"

De RP a 20 de Janeiro de 2009 às 23:46
OK.
Se não é "ser" mas "estar", não será o "ser", estar (ou sentir-se) recorrentemente feliz?

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
24

25
26
27
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: