24.2.12

 

Mudar, sempre é difícil. Se vamos mudar de casa, logo estamos envolvidos com caixas e mais caixas. Guardando coisas, separando objetos, encontramos passado e presente. Coisas que um dia significaram alguma coisa, outras perderam sentido. Fotos aparecem e contam histórias. Telefones anotados em pedaços de papel, quem nunca pegou um guardanapo e escreveu um telefone? Tantas coisas que juntas contam quem somos nós. Separadas em caixas, cobertas e às vezes no lixo, continuam sendo uma parte do que somos.

Na vida, mudar de casa é como mudar para crescer, deixar para trás o que conhecemos e começar do zero. Tantas vezes somos obrigados a mudar nossos sentimentos, fingir que não estão ali, tentar melhorar até conseguir mudar, para poder seguir adiante.

Mudanças boas existem, fáceis não. Mudanças rápidas e inesperadas, também.

Apesar de muitos negarem, em alguma coisa todos queremos mudar. Porque mudar significa evoluir, conseguir alguma coisa.

E mudar por amor? Impossível. Ninguém muda por amor. Escondemos algumas coisas por amor, mas mudar não mudamos. O amor é tão temperamental que ele está convencido de que pode mudar o outro, é questão de tempo e de jeito. Muito se investe nisso, mas o outro não muda. Porque ninguém muda por decreto nem por amor. Mudança é uma coisa que está no fundo da alma, uma necessidade que todos temos, mas tentamos ignorar. Apenas quando ela vem à tona é que conseguimos a força para mudar.

A dor também faz mudar. Sofrer cansa, desgasta, queima a esperança. Assim, depois de tanta dor, mudamos, não queremos mais sofrer aquilo de novo e mudamos nosso jeito de pensar.

O crânio humano é resistente, ideias entram fácil, mas resistem em sair, então só temos a alternativa de mudar.

A natureza não resiste. Muda as estações, a temperatura, as plantas. Fazem isso em silêncio, apenas para nos mostrar que mudar não é ruim, pelo contrário, quando mudamos, coisas melhores acontecem.

 

Iara De Dupont (articulista convidada)

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Fevereiro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: