9.3.12

 

Mudança é a palavra de ordem.

Muda-se por tudo e por coisa nenhuma; muda-se porque se quer, porque se pode, porque a isso se obrigam ou nos obrigam, muda-se para ser diferente, muda-se não se sabe bem porquê, muda-se porque sim. As alterações sucedem-se a um ritmo tal que ponho em causa a capacidade de nos adaptarmos a tanta novidade. Ainda mal o nosso cérebro processou um novo software e eis que nos lançam novos desafios, novos cursos de formação para outros mais avançados. 

Nas empresas, o modo como se fazia deixou de ser, passa a fazer-se de forma diferente, muitas vezes formas já anteriormente experimentadas, mas que importa? Importante mesmo, é mudar. Os ativos humanos, como agora se chamam às pessoas nas empresas, são avaliados por esta capacidade de adaptação à mudança.

Mudam-se os hábitos. O que se come, o que se veste, o que se diz e como se diz, os gestos, as entoações, tudo entra ou sai de moda.

A necessidade de mudança está tão presente que se muda o que naturalmente o tempo vai mudando. Em nome de um pretenso bem-estar, da busca do belo e do perfeito, e reivindicando o direito a isso, contraria-se o efeito que o passar dos anos impõe aos nossos corpos. Num frente-a-frente, a vontade de mudar e a não aceitação da pessoa tal como é, quase sempre a primeira leva a melhor. Parte-se então, para uma nova fase da vida. Hoje, põe-se aqui, tira-se ali, corta-se o excesso, amanhã poderá ter de ser o contrário, a moda o dirá. É estonteante!

É minha convicção que muitas mudanças se processam longe do que entendo ser a verdadeira identidade humana, e não são mais do que formas de cada um procurar o seu verdadeiro “eu”.

Também sinto necessidade de mudar, mas estou longe de conseguir a mudança que procuro. É uma mudança lenta que precisa de tempo para se processar. Esforço-me para que a vida, a minha vida, chegue e sirva o meu objetivo de mudança. Como digo, estou longe de conseguir mas sinto-me a mudar e quero chegar ao ponto de não confundir o meu semelhante com os atos que ele pratica, não o valorizando pelo que tem ou faz, mas respeitando-o e amando-o por, simplesmente, ser pessoa.

O tempo dirá se, com este entendimento, não serei também eu uma peça descartável por estar fora de moda...

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: