27.4.12

 

Tememos o cancro, o enfarto de miocárdio, o acidente vascular cerebral, a escorregadela na casca de banana, os acidentes de viação, o atropelamento e fuga. Tememos pela segurança dos filhos, dos pais, dos amigos, pela exposição virtual, pela inevitabilidade da morte; tememos por antecipação e sofremos em réplicas sucessivas e massacrantes. Receamos uma série de inimigos. E como se já fossem poucos, juntamos-lhes mais um, com nome cínico e pomposo: desemprego (leia-se: desterro, dor, dúvida, desespero, drama).

Todos os dias ouvimos e lemos notícias a esse respeito. Todos os dias há alguém cuja vida se altera drasticamente pela perda do “ganha-pão”. Nos últimos tempos, em reuniões de amigos ou de família, tornou-se o assunto em cima da mesa. Há uma atração mórbida pelos temas nefastos. Há sempre alguém que conhece alguém, que conhece alguém, que está desempregado. Há sempre uma família que perde o seu chão em face do desemprego de um (ou mais) dos seus membros. Vive-se um estado de insegurança que aumentará exponencialmente. Não parece haver esperança suficiente que nos valha, o aconchego da mentira não existe em doses homeopatas.

O fantasma do desemprego materializa-se, entra pelas frestas da alma, e instala-se na vida de todos os dias, virando-a do avesso. Sofre o desempregado, a família do desempregado, os amigos do desempregado, os que temem vir a estar desempregados. Tememos todos o inimigo de colarinho negro e ar sisudo que ceifa qualquer um de nós, sem piedade. Uns matam-se, outros bebem, deprimem e/ou drogam-se, porém, outros ainda, veem nessa mudança imposta a oportunidade de começar de novo. De renascer das cinzas e descobrir novos caminhos.

No fim de tudo, da busca, do medo, da dúvida, emerge a ironia máxima das coisas: não interessa o que nos acontece na vida mas sim a forma como reagimos aos acontecimentos. Como os sentimos, pensamos, digerimos. É essa tríade – cognição, pensamento, ação – que pode mudar o dia de amanhã. Em doses suaves ou em golfadas repentinas.

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Abril 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: