3.2.09

 


 


Todos os suicidas estão mentalmente doentes e o suicídio é sempre o acto de uma pessoa psicótica?


 


A visão sobre o suicídio tem-se alterado ao longo dos tempos. E, se em tempos mais recuados como a época medieval, não é possível dizer, com verdade, quantos suicídios ocorreram, é no entanto possível referir os factores potenciadores do acto. 


O suicídio era, para a igreja, o ceder a uma tentação diabólica de terminar com o desespero ou a loucura. Altamente condenado pela sociedade, era penalizado com a confiscação dos bens, e não se realizavam as cerimónias funebres.


A tendência, naturalmente, era para ocultar os actos de suicídio.


Existem alguns registos de pessoas que se suicidaram, mas os números são insignificantes. Jean-Claude Schmitt, em investigações efectuadas, não encontrou mais do que 54 casos em três séculos.


Quanto à tipologia e aos factores potenciadores do suicídio, este era praticado por ambos os sexos e por diferentes classes sociais. Os motivos eram variados: miséria, doença, sofrimento fisico (exemplos: a tortura e o medo do castigo), honra, amor, ciúme...




As razões e a incidência dos factores potenciadores alteraram ao longo dos tempos.


Se em tempos mais recuados, a honra, a tortura e o amor, por exemplo, eram razões bastantes para o suicída, hoje em dia estes factores parecem ter cedido o lugar às questões da saúde: fisica, casos de doenças graves e prolongadas; mental, como a depressão a esquisofrenia e as dependências.


Apesar destas alterações, parece-me errado reduzir os factores predisponentes a razões de ordem mental ou psicótica que, embora predominem, não nos devem distrair dos factores psico-sociais e familiares.


O apoio social ou a falta dele, uma separação que não se quer, a perda de emprego, o luto, familiares e ídolos com história de suicídio, visão de um futuro negativo, privação de liberdade, falta de objectivos e falta de religiosidade, podem criar nos individuos vazios e perturbações existênciais que, não raras vezes, terminam no suicídio.


 


Cidália Carvalho


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 16:08  Comentar

De beatriz a 16 de Julho de 2012 às 15:24
Eu as vezes Falo sozinha ,e rio.
Enter preto pessoas e comecou a falar e rir sozinha ,as vezes tambem choro,imagino pessoas com problemas triztes e choro.
Eu sou louca,tem problema mental
Se alguem ler me responde por favor nao aguento mais viver assim.

De Cidalia Carvalho a 20 de Julho de 2012 às 19:36
Olá Beatriz,

Revela, no seu comentário, preocupação com a sua saúde mental, quer falar mais sobre esse estado num ambiente privado? Poderá falar com a Voz de Apoio: http://vozdeapoio.sites.sapo.ao

Fique bem.

Cidália Carvalho

De Cidália Carvalho a 23 de Maio de 2009 às 12:47
Olá Pink Poison!

Fazemos da prevenção do suicídio a nossa prioridade. Pode ver, aqui ao lado que já realizamos um simpósio sobre o tema e estamos a preparar um outro.

Isto quanto a nós, e quanto a si, o(a) Pink Poison, não quer falar-nos mais sobre as suas tendências suicídas num ambiente confidencial?
Escreva-nos para sos.vozdeapoio@sapo.pt, não tenha receio de julgamentos, não os fazêmos, conte com a nossa total aceitação.
Se preferir também nos pode ligar 225506070
Nota: os contactos estão aqui ao lado na Voz de Apoio.

Fique bem e obrigada pelo seu comentário!

De pink poison a 22 de Maio de 2009 às 19:39
Eu tenho tendências suicidas. Este assunto deve ser debatido, só assim serão evitadas mortes de vidas que podem ser fantásticas.

De Júlia a 7 de Fevereiro de 2009 às 00:00
Só para dizer que passei por cá.
O Blog continua muito interessante.
Bem haja para quem se dedica a estas causas.

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
18
19
21

22
23
24
25
27


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: