8.6.12

 

Considerar que podemos ser outra pessoa num mesmo dia tem muito que se lhe diga. E conseguir distinguir os momentos desse dia em que a vivência é, mais ou menos virtual, também. Frequentemente, para entendermos do que se fala temos de pensar no seu exato oposto. Aceitemos a dicotomia “virtual – real”. Parece-me à primeira vista que poucos terão dificuldade em separar e delimitar estes opostos. E de uma forma geral, hoje em dia, associamos o “real” ao palpável, físico, material, e o “virtual” ao universo da informática ou da Internet.

Apesar de reconhecer esta visão contemporânea das coisas, tenho-a como insatisfatória. Como em parte acima referi, a linha que separa estes dois aparentes opostos é muito ténue. E refiro-me, evidentemente, ao que à vida (existência) diz respeito. Tal como alguém anteriormente disse, se eu penso, eu existo. A partir daqui permitam-me continuar; se eu existo, então eu sou. Se eu sou, então eu vivo. E se eu vivo, então eu sou real. Contudo, o pensar (que me permite em último caso ser real), não é palpável, físico ou material. O seu resultado final assim pode ser, mas o pensamento e a ideação em si, nunca o são. Então, o pensamento, que me permite ser (e ser real) é virtual? Se assim for, o “real – virtual” não é uma oposição, mas sim uma linha infindável de continuidade entre os dois. O virtual permite o real, que eventualmente será o instrumento para um outro virtual. E isto porquê? Porque o real leva-nos a pensar.

Ora bem. Pensando então nisto, chego à conclusão mais óbvia. Isto é tudo muito complicado... A minha existência diária é regulada pelo real e pelo virtual (considerando o real como algo que existe de facto e o virtual como algo que potencialmente existe). Simultaneamente. Devido a esse facto, quando é que eu posso considerar que o que sou é real, ou então virtual, em dado momento? Mais uma vez parece-me que não os podemos dissociar ou polarizar. Sou carne e pensamento. Ação e ideação. Existo de facto e tenho a potencialidade de ser o que ainda não sou. Por consequência, tudo o que faço e experimento é real e virtual. SOU eu quando aperto a mão a alguém na rua, e SOU o mesmo eu quando o meu avatar aperta a mão a outro no ciberespaço. Sendo assim, faz sentido falar em vida virtual e em vida real? Não. O que acontece atualmente é que ao contrário do que acontecia há bem pouco tempo, o que SOU pode exprimir-se (exprimir-me) em diferentes realidades. Reais e virtuais...

 

Rui Duarte


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: