26.6.12

 

Vamos considerar aqui a realidade como sendo uma construção individual, subjetiva, da imagem de uma coisa ou ato que se transforma numa ideia. Isto é, à imagem do objeto é dada uma interpretação, um sentido.

Nesta lógica, a realidade é virtual, é uma ideia. O passado e o presente vividos não são senão um filme adulterado pelos preconceitos, crenças e valores individuais incutidos. As lembranças são vivências imaginadas e em nadas reais, e no entanto, muito reais para o sujeito que as sente. Vivemos virtualmente num mundo concreto, intangível, uma realidade fenomenológica.

É habitualmente referido que as patologias da personalidade identificam-se através de padrões persistentes e duradouros de comportamento. Sinalizadas por reações inflexíveis a situações pessoais e sociais. Representam desvios extremos ou significativos das perceções, dos pensamentos, das sensações. Os vários tipos de patologias implicam padrões estáveis e que englobam múltiplos domínios do comportamento e do funcionamento psicológico. Habitualmente estão associados a grande sofrimento subjetivo e a comprometimento do desempenho social de forma severa.

Karl Jaspers (1883-1969) refere que o indivíduo psicopatológico não se distingue na sua essência das outras pessoas. Isto é, ontologicamente, não há qualquer diferença entre os sujeitos. Ambos os tipos existem e são produto do mundo e coexistem com a sua consciência individual.

Onde está a linha que separa o normal do patológico? Porque que é que uns têm o direito de condicionar, limitar e redefinir a vida de outros apenas porque não encaixam na sua verdade? Não seremos todos nós psicóticos em vários níveis e estádios. Não confundir com psicopatas, embora muitos dos nossos políticos e gestores de topo apresentem traços de psicopatia.

Claro que toda esta psicopatologia convencional explica-se porque quem avalia “acha” que determinado indivíduo não encaixa nos padrões estabelecidos. Não concorda o leitor comigo que, em última instância, se trata de formas de violência e exclusão?

Refere-se que se verificam desvios significativos da perceção, dos pensamentos e das sensações. E, diria eu, qual é o problema? Temos todo o mesmo nível de perceção? Como sei eu qual é o tipo de perceção que tem o meu amigo?

Por outro lado, estas alterações parecem causar grande sofrimento para o próprio e para os outros. Com certeza! A sociedade não está preparada para aceitar a diferença nessa dimensão e muito menos tem os recursos que possibilite a coexistência entre indivíduos diferentes. Começamos agora a viver numa sociedade multicultural e multirracial. Quando teremos uma que considere todas as dimensões do ser diferente? Precisamos urgentemente de novos modelos de saúde mental.

Assim, finjamos todos que a nossa realidade ainda se encaixa no padrão, e se for difícil e se sentirmo-nos diferentes, então convém fingir ainda mais e mentir com mais afinco porque podemos “acordar” numa ala de psiquiatria. Afinal a nossa realidade não existe, é apenas produto da nossa consciência, é apena virtual.

 

Ana Teixeira


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: