21.9.12

 

No sentido abstrato da palavra, estar longe aplica-se a diferentes contextos. É um presságio multivariável de acordo com o conetor em apreço. Gostava, outrossim, de empregar este termo num contexto competitivo, e assim fácil de mensurar, propício a avaliação de desempenho segundo metas previamente estabelecidas.

Rabiscando um sistema de desempenho dos estudantes do ensino superior, dentre várias razões, os que estão longe tem que ver com um baixo nível de preparação educacional nos ciclos de ensino antecedentes arrastando-se até ao nível superior, educação de base ou familiar, incipiente quadro de valores morais e éticos da sociedade incluindo a cidadania, entre outros, fatores estes que condicionam o desempenho do estudante sujeito a avaliação.

Estar longe, ou em oposição estar perto, é um indicador que avalia o nível de desempenho real face ao considerado médio ou aceitável, dependendo da escala de avaliação. O afastamento do desempenho real face ao desempenho expetável evidencia algum desvio que, por sua vez, periga uma formação sólida e robusta, requerendo amiúde medidas de contigências para evitar efeitos nevrálgicos.

A área financeira mensura o risco e recorre como antídoto mais eficiente com vista a atenuação dos seus efeitos, à adoção de medidas de diversificacão. O que seria então a diversificação, no caso do desempenho de estudantes do setor de ensino superior?

Estabelecendo uma analogia, análise dedutiva, entre o campo financeiro e o caso do desempenho dos estudantes do ensino superior, diversificar seria fortalecer a preparação educacional para um melhor domínio de conteúdos tirando proveito da facilidade e acesso a informação por via das TIC. Realça-se o papel da preparação individual na superação das fragilidades estruturais acima citadas.

E, para não estar longe, voltando ao ponto de partida, migrando das finanças à saúde mental, subsiste uma nuance: se cada um for melhor e mais competitivo, individualmente, poderá contribuir para a elevação da sanidade mental em geral.

 

António Sendi (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 19:05  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Setembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

23
24
26
27
29

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: