24.2.16

Man-GeorgeHodan.jpg

Foto: Man – George Hodan

 

Cá estou nas compras, observando tudo, perguntando, tentando perceber onde se praticam os melhores preços, o que é que há de novo relacionado com o que quero comprar – podem ser sapatos, pode ser uma casa, podem ser roupas, ou um automóvel. Recolho toda a informação possível. Se não fosse assim, como é que poderia tomar decisões?

Já quando quero vender o meu carro, a minha casa, onde vivi momentos tão importantes, meus tesouros, não preciso de carregar em nenhum botão para mudar a minha atitude, já quase não quero saber o que se passa à minha volta, com carros idênticos ou com as casas lá da zona. É este o preço que quero porque sim, porque são os meus tesouros, porque paguei por eles.

Eu sou o mesmo, mudou foi a circunstância. Não sou eu na mesma.

 

Eu sou do tamanho do mundo, acabei de conseguir aquilo que tanto queria e por que tanto lutei. Consegui! Sou imbatível, enorme, eterno!

Faleceu um ente querido, parte da minha vida, percebo a perenidade das coisas, das pessoas. Triste, revoltado, sinto-me pequeno, ínfimo perante o universo e a vida. Transitório, parcelar, o que ando aqui a fazer, vale a pena? E ainda há dias, como se fosse ontem, me sentia do tamanho do mundo...

Como é que os meus filhos me descrevem? E os meus atuais colegas de trabalho? E se forem os da empresa anterior? E quando fui eu o patrão?

Sou o mesmo quando vou ao estádio de futebol ver os jogos do meu clube ou quando os vejo na televisão? E se os jogos são entre outros clubes, tenho o mesmo comportamento?

 

Posso ser eu o mesmo que alguém, de acordo com o que conhece de mim, descreve como rigoroso, quase sisudo, que não dá ponto sem nó e outra pessoa conhece como brincalhão, divertido, amigo da boémia, sempre a dizer piadas e na brincadeira?

Eu sou um camaleão?

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
18
20

21
23
25
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: