27.6.16

Baby-PublicDomainPictures.jpg

Foto: Baby – Public Domain Pictures

 

Somos seres humanos e, intrinsecamente, precisamos de amor, de amar e ser amados, precisamos uns dos outros, e o que nos mantém ligados uns aos outros, são os sentimentos, os laços que se vão criando.

Precisamos, desde tenra idade, do amor dado pelos pais, para crescermos felizes. Talvez que a relação mais desigual, em que se dá sem estar à espera de receber, seja com os nossos filhos, sendo que o papel de progenitor inclui cuidar, ensinar, disciplinar e orientar na vida. Esse amor é dado de forma incondicional. Ao longo da nossa vida continuamos a precisar desse amor, precisamos de alguém que cuide de nós e que nos ame. Esse amor incondicional é das formas mais altruístas de amor e não deve ser circunscrito, deve ser alargado e dado em qualquer relação: amigos, entre marido e mulher, entre pais e filhos e até desconhecidos.

 

Uma das formas desse amor, dar sem esperar receber algo, é o voluntariado. Há coisas tão simples, como gestos, sorrisos ou abraços que fazem a diferença em qualquer ser humano. Podemos, inicialmente, pensar apenas que ao darmos contribuímos para a felicidade ou bem-estar do outro, a quem a dádiva poderá fazer toda a diferença; contudo e mais interessante é que o outro a quem demos, dá-nos a dobrar ou a triplicar.

Uma vez encontrei uma senhora que, para mim, é das pessoas mais difíceis para lhe chegar ao coração. Raramente ri, embora já lhe tenha “sacado” um ou outro sorriso. Está sempre virada para o passado, muito metida dentro do seu mundo, passa grande parte do seu tempo sentada numa poltrona e raramente fala com alguém. Essa senhora preocupava-me. Um dia, aproximei-me dela e dei-lhe vários abraços, não me lembro do que lhe disse, mas sei que chorou como uma criança e em cada vez que a abraçava, chorava mais e ria-se ao mesmo tempo, de alegria.

 

Estas situações levaram-me a pensar: “É só isto? Isto basta para sermos felizes? Parece-me pouco.”. Eu acho que, no fundo, o que dou é pouco, mas para quem recebe é tudo. O que dou, às vezes, move montanhas, toca-lhes no fundo da sua alma e choram, do fundo do seu coração, de comoção. Eu dou-lhes, talvez, o que elas precisam, e elas a mim dão-me o que eu preciso. Cada um do seu jeito.

 

Helena Ferreira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
24
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: