6.5.16

Guitar-LorriLang.jpg

Foto: Guitar – Lorri Lang

 

Em miúda queria ser graúda muito depressa. Chegar aos 18. Ser dona de si. A única a decidir e opinar sobre o seu futuro, mas principalmente o presente.

Os sermões exasperavam-na, os conselhos desesperavam-na.

Queria ser livre como um pássaro. Queria ser. Queria o mundo, os amigos, o amor. Os 18 eram sinónimo de liberdade, independência, autonomia.

De nada valia ouvir dos mais velhos "A vida não é como pensas...".

De nada valia ouvir dos pais "Enquanto viveres cá em casa de nada te vale teres 18.".

De nada valia porque nessa idade nada vale e os conselhos entram a mil para saírem a dez mil à hora.

Não há sonhos ou desejos mais egocêntricos que os dessa idade onde se acredita ser adulto sem o ser.

 

Depois veio a vida como ela é.

Primeiro a faculdade.

Os amigos, que pareciam ser os únicos no mundo e que o seriam para sempre, deram lugar a novos amigos.

O amor, que só podia ser para a vida, ficou na escola onde não mais haveria de voltar.

O estudo, que parecia fácil até então, desdobrou-se e multiplicou-se em dificuldades. A liberdade, que imaginara tão intensamente e durante tanto tempo, não tinha afinal o cheiro dos sonhos de ontem.

Aos poucos, uma pressão que outrora vinha de fora, dos pais, deu lugar a uma voz interior que lhe falava em surdina, tantas ou mais vezes que a mãe noutros tempos: “Estudar, tens que estudar”, entre tantas outras coisas.

 

Ainda hoje não sabe o dia ou a hora da transformação. Mas recorda-se da sensação.

Foi no momento em que acreditou mergulhar na liberdade que uma voz a amarrou para a eternidade. A voz da responsabilidade.

 

Joana Pouzada

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Maio 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: