25.10.15

YorkCityView-PetrKratochvil.jpg

Foto: York City View – Petr Kratochvil

 

De repente o meu corpo voa em queda livre a grande velocidade… a força do ar comprime o meu rosto deformando-o… em segundos, os pontos distantes ganham forma… a distância vertiginosamente encurtada, desenha os vários contornos das copas das árvores, dos telhados… a agitação da cidade que acorda torna-se nítida e os ruídos mais percetíveis à medida que me aproximo do fim… o impacto derradeiro: um espasmo doloroso percorre todo o corpo fazendo-me saltar na cama…

Acordo sobressaltada, desorientada, os cabelos molhados, o corpo a ferver, húmido de transpiração da brutal emoção final. Sento-me na cama, surpreendida com este sonho em que ponho termo a uma vida, a minha própria vida. Nunca a ideia de suicídio me tinha surgido de forma tão pungente, tão real!

Essa ideia de uma aparente liberdade, esse ilusório poder sobre a própria vida, fez-me pensar…

A ideia de suicídio afigura-se como uma remota possibilidade de comandar a vida, interrompendo-a. Percebemos que temos a capacidade de decidir antecipar um fim que desde o momento do nosso nascimento já é certo, embora num tempo incerto.

Se encararmos essa ideia apenas como uma possibilidade, ou uma fantasia, e não como uma alternativa de ação, ela passa a ter o efeito placebo, que de certa forma ajuda a superar e ultrapassar as dificuldades. Tal como a ideia de ganhar o euromilhões nos abre a possibilidade de sonhar com uma outra vida de luxos obscenos, sem arrependimentos.

Percebi o poder que temos dentro de nós. E percebi que os desafios se desfiam quando os encaramos com toda a força e energia que temos escondidas dentro de nós, sem nos darmos conta.

Levantei-me da cama, espreguicei-me languidamente e sorri com gratidão para o dia que surgia, com novas aprendizagens e desafios para desfiar.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: