24.1.14

 

O som estridente da campainha fez-se ouvir à hora e ao minuto esperados. Seguiu-se o habitual burburinho que pontuava o final de uma aula e os corredores encheram-se de um movimento repentino e caótico. Mas houve uma exceção naquele dia.

Na sala do professor Borges, conhecido pelas suas ideias excêntricas, os alunos permaneceram na sala, imóveis, calados e de olhos fechados. O professor dedicara a aula ao tema da reflexão e pedira aos seus alunos que prescindissem do tempo de recreio para pensarem sobre o passado, o presente e o futuro. “O recreio seria o intervalo entre o passado (esta aula) e o futuro (a próxima aula). Pensem nisso durante 15 minutos. Falaremos disso na aula seguinte. Peço-vos”.

 

- Claro que sim, João, podes começar tu.

- Eu penso que o presente é sempre um intervalo. Se estou a jantar, estou no intervalo entre a minha vontade de comer e a digestão. Se estou a fazer a digestão, estou no intervalo que me levará à próxima vontade de comer. É assim que eu penso.

- Muito bem, João, muito bem explicado. Sim, tu, Mário, o que nos tens a dizer?

- Eu acho que o intervalo é o que nos liga o passado ao futuro. Temos um passado e agora estamos a passar pelo intervalo que nos vai levar ao futuro que nos espera.

- Sim, Alberto.

- Eu não concordo com o Mário.

- Porquê?

- Porque o passado já passou e o futuro ainda não existe. E o intervalo, o presente, é que vai ditar qual será o futuro.

- Como?

- Escolhendo o que fazer no presente para termos o futuro que desejamos. Poderíamos ter ido para o recreio para mais umas correrias, mas ficamos na sala a refletir. Assim, o nosso futuro poderá vir a ser um pouco melhor.

- Obrigado a todos. Estou, mais uma vez, orgulhoso dos meus alunos. Faltam vinte minutos para acabar a aula, mas estão dispensados. Podem ir correr para o recreio porque é tão importante refletir como correr e saltar. Já agora, a próxima aula será sobre o tema da… depois eu digo. Vão correr e saltar e gritar.

A voz embargada do professor Borges denunciava a emoção que sentia. Eram momentos como aquele que confirmavam a escolha que fizera há muitos anos atrás e o convenciam que a melhor avaliação dos professores, a única verdadeiramente válida, é feita pelos alunos.      

 

José Quelhas Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
15
16
18

20
22
23
25

27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: