5.10.16

MulherEstátua-CidáliaCarvalho.jpg

Foto: Mulher-estátua – Cidália Carvalho

 

Herdei dos meus pais, que já haviam herdado dos seus antepassados, valores, direitos e obrigações. Faltam-me conhecimentos para poder afirmar que o input deste software se processou no momento da minha conceção e que incorporava a minha bagagem no momento em que me apresentei ao mundo. O mais certo, é tratar-se de um processo contínuo de assimilação, transmitido por meio da palavra e dos exemplos dos meus progenitores, à medida que o meu hardware se vai desenvolvendo. Mas o legado dos meus parentes estende-se às semelhanças físicas. E, quanto a estas, parece não haver dúvidas que me foram passadas informações num composto orgânico que dá pelo nome de ADN, no momento em que deixei de ser verbo e passei a ser carne. Isso explica o que infinitas vezes ouço dizer, que a minha boca afinal, é a do meu pai, e os meus olhos são afinal, os da minha mãe. Já da teimosia que me caracteriza, perece ninguém querer ser o autor, mas se andar para trás na árvore genealógica encontrarei, por certo, alguém como eu.

 

Herdo, continuamente, hábitos, costumes e crenças do meio em que estou inserida.

A sociedade dita, não raras vezes, o que devo vestir, comer ou beber. Lugares que devo visitar, músicas que devo ouvir, livros que devo ler.

Assim, enquanto pessoa, eu sou uma escultura cinzelada por muitos e diversos artistas.

E com todas estas heranças que me esculpem e me formatam, o que há realmente de meu, só meu? Quem posso, afinal, dizer que sou? Sem jactância, arrogo-me o direito de poder pensar e, caso queira, contrariar ou enriquecer estas heranças, tornando-me, também eu, numa escultora.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: