13.7.16

Girl-AlexandrIvanov.jpg

Foto: Girl – Alexandr Ivanov

 

Costumava pensar que irreversível era a morte. E depois estive tão perto dela e percebi que sei lá se é irreversível ou não, porque na verdade não morri. Sei lá se é o fim, ou uma transformação, ou um passo para outra dimensão, ou o nada total. Não sei mesmo se é irreversível.

 

Irreversível é viver. Cada escolha que fazemos, cada decisão que tomamos, o modo como vamos moldando o nosso destino. Os passos que damos, os cursos que escolhemos tirar ou não, os empregos. O modo como cuidamos da nossa saúde e do nosso bem estar físico ou psicológico, se somos ativos ou passivos. E os imponderáveis, como um acidente de viação que nos incapacita para a vida e nos rouba anos de qualidade de vida. Irreversível é tudo o que fazemos porque tudo define a nossa história e o nosso percurso, quer queiramos quer não. Se tivéssemos noção disso muito cedo, acho que não nos mexíamos.

 

Mais importante ainda, irreversível é como amamos, quem amamos, o que fazemos com os nossos amores e afetos. Se os regamos e alimentamos ou se os levamos a definhar, a morrer. É o modo como acabamos por ser felizes ou infelizes porque menosprezamos amores, demos coisas por garantidas, fomos levianos, fúteis. Irreversível e perigoso é optarmos por ser egocêntricos e egoístas. Magoarmos aqueles que nos amam, isso sim, não tem volta.

Por isso é que a espontaneidade tem que ser programada; somos tão dados a cometer erros graves que é preciso pensar. E, sobretudo, acreditar. Acreditar cegamente no amor, no companheirismo, na honestidade total.

Há riscos que podemos e devemos correr. Normalmente têm a ver com pessoas. Tudo o resto é secundário.

 

É por isso que dedico esta crónica à pessoa mais importante da minha vida, o meu amor. E ao nosso filhote. Porque aquilo que mais desejo é que, apesar dos tropeções e das dificuldades, o nosso amor seja para sempre irreversível.

 

Laura Palmer

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: