2.3.15

DoisEuros.jpg

 

Assim de repente, talvez facilitando ou simplificando, podemos considerar o domínio do fogo como o princípio desta história. Vem a propósito de o Homem ter passado a lidar com um objetivo de vida, anseios, sonhos e não apenas passar por aqui lutando pela sobrevivência.

Foi assim que pudemos passar a fazer outras coisas além de recolher o que havia ou passava à nossa frente para nos alimentarmos; foi assim que passámos a poder estabilizar num território e potenciar o que a terra dava através do que veio a ser a agricultura; foi assim que começámos a adaptar objetos, a construir ferramentas, para essa agricultura e para que a caça e a pesca fossem mais eficazes e produtivas, a criar condições e meios para levar a nossa produção excedente de uns locais para outros, por terra e mar ou rio, muitíssimo mais tarde, até pelo ar.

Bom, está mesmo a ver-se onde isto levou. Começámos a saber fazer coisas, a criar valor. Não teria sido assim tão de repente, mas a certo ponto começou a haver especializações - uns caçávamos, outros cultivávamos a terra, outros pescávamos; começou a haver produção a mais aqui que seria valorizada além, se a conseguíssemos levar até lá. Então o melhor era trocar o que eu tinha a mais pelo que outros queriam e não tinham. Bom, bom mesmo, era não nos limitarmos à troca direta, mas ter algo que servisse de medida e acumulação de valor para fazer trocas indiretas no modo e no tempo. Podíamos acumular valor, riqueza. Chamemos-lhe moeda - são precisas etiquetas para tudo. Aliás, tal faz parte da chamada especialização. Fomos sendo cada vez mais especialistas nas competências de ocupação que temos, à qual chamamos profissão.

Evolução maravilhosa, extraordinária, singular, em qualquer ser vivo! Lembram-se? Assim podemos ter sonhos, anseios de vida!

No entanto a moeda, sim essa moeda, diz a sabedoria popular, tem sempre duas faces.

O profissional é o que tem competência - saber fazer, mas profissional também pode ser o que chamamos àquele ser frio, pouco ético, um concorrente devastador e desleal.

O profissional com competências e regras adquiridas em tenra idade que proporcionavam um modo de vida, sucedendo muitas vezes ao progenitor no mester, tinha a sua vida solucionada até ao fim. Agora as profissões, a minha especialização atual, pode ser-me inútil, sem valor, num futuro próximo.

Na cara da moeda chamada profissão temos o profissional ético, na coroa o profissional mercenário. A profissão também pode ser uma forma de exercer cidadania, de servir a sociedade.

E quando não podemos ou conseguimos exercer a nossa profissão, uma profissão, o que somos? E podemos ter anseios, sonhar?

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: