18.3.16

SemNome-ВиталийСмолыгин.jpg

Foto: Sem nome – Виталий Смолыгин

 

Todo o agente ativo com personalidade jurídica tem a faculdade de agir em seu nome próprio e assim promover a transformação do mundo a sua volta, com duplo impacto, movido por interesses endógenos na esfera pessoal do agente e interesses coletivos circundantes da sua esfera exógena, campo ocupado pelas outras pessoas.

Assim, pretendendo configurar o Eu para dar eficácia ao supracitado, aventa-se um protótipo de agente que ab initio possui um conjunto de necessidades e objetivos próprios, então se for de natureza humana acresce-se ao primeiro os objetivos coletivos. Adjacente à personificação está a sua identidade, que se espera que seja única e própria para distingui-lo dos outros no plano operacional, bem como na diversidade existencial do universo em que esteja inserido.

 

Perceber a natureza e complexidade do Eu não é um exercício desnecessário de alienação de recursos escassos, destarte requerer segregá-lo para perceber a sua composição, que de uma forma geral possui duas componentes complementares, o hardware que é a caixa ou o corpo que dá forma e estrutura ao sujeito, e o software que é a parte lógica, o conteúdo que forma o processo racional. Se, relativamente à primeira componente, não oferece um grau de dificuldade para formar uma ideia sobre a sua mecânica, a segunda coloca um desafio acrescido sobre a compreensão da sua lógica funcional e motivacional. Compreendidas as partes, uma análise holística permitirá reconciliar as duas componentes e assim validar os pressupostos do particular completando o puzzle.

Certamente que este exercício não é trivial, pois a soma das partes nem sempre é igual a dois, tornando ainda mais interessante esta disputa. Sob o ponto de vista do objeto, sendo um agente mutável não vai pretender facilitar, nem ser caçado e se o destino assim desejar, evitará ser considerada uma presa fácil. A dinâmica dos processos induzida pela rotina enriquece a informação genética das gerações vindouras e também aprimora as boas práticas propaladas pelos antecessores.

 

De facto a mutação do modus operandi é uma necessidade decorrente da sustentabilidade das espécies que, num horizonte de longo prazo, adaptam paradigmas próprios para saber lidar com os desafios recorrentes e também enfrentar os novos. Mais uma vez a componente lógica entra em ativação contínua para desenvolver os conteúdos necessários que alimentam um processo decisório cada vez mais complexo.

Para reivindicar qualquer mudança sobre o mundo externo é preponderante que a primeira mudança seja operada por nós e recaia sobre nós próprios. Entretanto, para incorrer ao processo de gestão da mudança, implica compreender o quê, como e por que mudar, sendo a resposta para esta preocupação à necessidade de nos conhecermos a nós próprios, o que rompe por completo com o circuito e remete-nos ao ponto de partida. Conhecer a nós próprios, num sentido ousado do termo, implica sairmos de nós próprios e irmos ao nosso encontro com auxílio de uma mão invisível, aproximação essa somente possível quando o estado de espírito está sossegado e sem compromissos avultados. A agenda central desse encontro gravita em torno de três questões intimamente relacionadas, designadamente, rever o passado para compreender o presente e assim visionar com clareza o futuro.

 

Quando se consegue atingir esse ponto de equilíbrio adquire-se certo poder de conquista de objetivos de longo prazo, motivado pela vontade altruista de fazer a diferença, manifestado pela capacidade de persuasão e influência sobre outros, bem como o poder de autocontrolo ou mediação do incessante diálogo entre as expetativas traçadas e os resultados observados.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
23
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: