1.4.15

VelaArde.jpg

 

Agora sou quem sou! Sou o resultado do meu passado e este faz-me falta para perceber quem sou agora e, não seria quem sou, se não fosse o meu passado. Agora sou também aquilo que projeto para o meu futuro, o qual resulta do meu passado (experienciado) e do meu agora. Assim, percebo expetativas para a minha vida futura. Sérgio Godinho já dizia (diz) que “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”. Esta afirmação perspetiva futuro e passado. Futuro, porque hoje é o 1.º dia e, passado, porque o hoje é o resto. Assim, quando se diz “O resto da minha vida”, o futuro é analisado à luz do passado e do agora.

Ao passear na rua, no nosso trabalho, em nossa casa e em outros sítios, cruzamo-nos, muitas vezes, com a frase “o melhor será viver um dia de cada vez”. Tenho dificuldade em percebê-la; faz-me refletir sobre a vivência e a existência humana; confesso até que fico desapontada e triste… não percebo muito bem porquê; dizem-me que, pensando assim, serei mais feliz… será que me dizem para viver aquele dia com muita intensidade – viver o agora com muita intensidade? Colocar tudo no hoje? Como o faço se estiver mal com o meu passado e com o meu futuro?

Por outro lado, o agora, o hoje, não deverá ser avaliado como o “escuro que fica depois de se esgotar a luz de uma vela que desapareceu”. Cardoso (2010) ao falar de depressão realça que esta empurra para o fosso escuro da existência; está-se embaraçado, ancorado, emperrado na marcha para diante. O tempo íntimo (tempo que está dentro da pessoa) está parado, não é capaz de andar para a frente para acompanhar o tempo de fora, o tempo do mundo. Assim, não há passado nem futuro no agora da pessoa deprimida.

“Viver um dia de cada vez”; “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”… sinto-me bem quando percebo o hoje como o primeiro dia do resto da minha vida. Dá um sentido temporal à minha vida; dá um sentido útil ao agora, porque é o primeiro dia e, por ser o resto da minha vida, precisa de ser pensado para preparar o resto; o futuro. Assim, não me permite pensar que o “tempo do agora” é “o escuro que fica depois de esgotar a luz de uma vela que desapareceu”.

O agora parece-me ser um “sítio” de análise complexa. Será dificuldade minha…

 

Ermelinda Macedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: