16.10.15

CupluTineriInParc-CatalinBerciu.jpg

Foto: Cuplu Tineri In Parc – Catalin Berciu

 

- Quanto tempo tens?

Olhou pela janela e esboçou um sorriso. Não fugia daquela pergunta. Apenas não lhe fazia qualquer sentido.

- Quanto tempo te resta? - insistiu.

- O mesmo que a ti - respondeu, olhando-o profundamente nos olhos.

- Estás a brincar com isto?! Estás maluca? Isto é muito sério!

- Não. Resta-me o mesmo tempo que a ti. Acredita que não brinco.

Sentia-se confuso. Baralhado. Revoltado. Angustiado. Sentia que a perdera, mesmo antes do tempo findo.

- Vou falar com o médico. Não quero saber se me escondes a verdade. Vou descobri-la a todo o custo. Não me podes negar isto. Depois de toda a nossa vida.

- Não te nego nada. Resta-nos o mesmo tempo.

Saiu furioso. Na sua fúria apenas residia o medo da perda. De não poder tê-la para sempre.

Olhou de novo pela janela. Conseguia ver o horizonte dali. Mas nada mais, para além dele. Embora tal não significasse que para além daquele horizonte não houvesse mais céu, mais mar. Há sempre mais para além do que a tua vista alcança. No entanto, aquele horizonte só prometia fim, a partir daquela janela.

Voltou esgotado. Triste. Semblante pesado. Encontrou-a serena. Tal adormecida. Embora apenas descansasse a vista do horizonte. Ao vê-la assim, cândida e serena, sentiu a sua paz e sorriu. Aquela dor que o dominara, estancou por um momento.

Devagar, ela abriu os olhos cerrados e devolveu-lhe um olhar com vida. Voltou a sorrir-lhe. Disse-lhe:

- Resta-nos o mesmo tempo, meu amor. O tempo da nossa vida. Este, só este que temos. O tempo que temos até ao fim. Juntos. É o mesmo tempo. O nosso tempo! Disfrutemos como disfrutamos do pôr-do-sol. Ele põe-se no horizonte. É lindo observá-lo assim. Mas, morre na noite. Pensamos que é morto para sempre. Mas, sempre renasce. Sempre permanece. Assim é o nosso amor. Para sempre. Mesmo que não me vejas, estarei contigo. Em cada novo dia da tua vida. O nosso amor é o nosso tempo, disse, enquanto uma lágrima lhe molhava o sorriso.

 

Cecília Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: