16.10.15

CupluTineriInParc-CatalinBerciu.jpg

Foto: Cuplu Tineri In Parc – Catalin Berciu

 

- Quanto tempo tens?

Olhou pela janela e esboçou um sorriso. Não fugia daquela pergunta. Apenas não lhe fazia qualquer sentido.

- Quanto tempo te resta? - insistiu.

- O mesmo que a ti - respondeu, olhando-o profundamente nos olhos.

- Estás a brincar com isto?! Estás maluca? Isto é muito sério!

- Não. Resta-me o mesmo tempo que a ti. Acredita que não brinco.

Sentia-se confuso. Baralhado. Revoltado. Angustiado. Sentia que a perdera, mesmo antes do tempo findo.

- Vou falar com o médico. Não quero saber se me escondes a verdade. Vou descobri-la a todo o custo. Não me podes negar isto. Depois de toda a nossa vida.

- Não te nego nada. Resta-nos o mesmo tempo.

Saiu furioso. Na sua fúria apenas residia o medo da perda. De não poder tê-la para sempre.

Olhou de novo pela janela. Conseguia ver o horizonte dali. Mas nada mais, para além dele. Embora tal não significasse que para além daquele horizonte não houvesse mais céu, mais mar. Há sempre mais para além do que a tua vista alcança. No entanto, aquele horizonte só prometia fim, a partir daquela janela.

Voltou esgotado. Triste. Semblante pesado. Encontrou-a serena. Tal adormecida. Embora apenas descansasse a vista do horizonte. Ao vê-la assim, cândida e serena, sentiu a sua paz e sorriu. Aquela dor que o dominara, estancou por um momento.

Devagar, ela abriu os olhos cerrados e devolveu-lhe um olhar com vida. Voltou a sorrir-lhe. Disse-lhe:

- Resta-nos o mesmo tempo, meu amor. O tempo da nossa vida. Este, só este que temos. O tempo que temos até ao fim. Juntos. É o mesmo tempo. O nosso tempo! Disfrutemos como disfrutamos do pôr-do-sol. Ele põe-se no horizonte. É lindo observá-lo assim. Mas, morre na noite. Pensamos que é morto para sempre. Mas, sempre renasce. Sempre permanece. Assim é o nosso amor. Para sempre. Mesmo que não me vejas, estarei contigo. Em cada novo dia da tua vida. O nosso amor é o nosso tempo, disse, enquanto uma lágrima lhe molhava o sorriso.

 

Cecília Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: