27.5.16

Girl-Madsmith.jpg

Foto: Girl - Madsmith

 

Todos nós temos alguma coisa para dar e é difícil dizer o que é mais precioso. Para quem tem fome, não existe nada melhor que receber um prato de comida. Para quem se sente só, atenção e companhia são bens valiosos. Claro que quem tem dinheiro sobrando, pode ajudar em muita coisa, mas não é só com dinheiro que podemos ajudar quem precisa. E na verdade todos nós precisamos de algo. O facto de pararmos para pensar em que podemos ser úteis para alguém, já é em si um grande trabalho e, antes mesmo de dar alguma coisa, já estamos recebendo. Estamos refletindo sobre nós mesmos e descobrindo os nossos potenciais. Sempre temos alguma coisa para dar: atenção, educação, tempo, amor, carinho, paciência, compreensão, companhia, trabalho e dinheiro, são exemplos.

 

Atualmente é cada vez mais difícil as pessoas se doarem. Vivemos cada vez mais dentro de uma bolha que é a nossa vida e a nossa família, sem nos importarmos muito com o que acontece em nossa volta. E em meio a essa vida agitada, cheia de afazeres e preocupações, nos perdemos na nossa rotina e nos esquecemos de olhar para o outro. Muitas vezes, não é preciso mudar uma vírgula da sua rotina para se doar. Não ignorar e, sim, ouvir a conversa da senhora idosa que reclama da vida na paragem do autocarro, é doar um pouco de atenção ao próximo, sem nos exigir muito. Está bem, tem dias em que estamos mesmo sem a menor paciência e com a cabeça cheia com os nossos próprios problemas mas, às vezes, ouvir as outras pessoas nos traz uma outra perspetiva da nossa própria vida. Nos colocar no papel no outro, nos faz pensar naquilo que estamos construindo para nós. As formas de nos doarmos, são muitas e essas oportunidades aparecem sempre. Deixar passar à frente quem tem pressa, quando nós não temos, é se doar. Devemos agradecer a todas as circunstâncias e pessoas que nos põem à prova, pois sem elas não temos oportunidade de nos transformarmos. Não importa assim o quê, nem quanto oferecemos, mas sim que essa oferta seja genuína, pois no final, ao nos doarmos, só podemos agradecer a oportunidade de nos tornarmos pessoas melhores.

 

Letícia Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Maio 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: