8.7.16

Cutter-Man-Melanie.jpg

Foto: Cutter-Man - Melanie

 

“Oh tempo, volta p’ra trás,

traz-me tudo o que eu perdi.

Tem pena e dá-me a vida,

a vida que eu já vivi.”

 

Tenho para mim que tudo na vida é como as moedas, com cara e coroa, verso e reverso. Tenho para mim, também, que o tudo e o nada, nos extremos, se tocam, se podem confundir, assim como o sempre e o nunca... Mal comparado, será quase que como o conceito chinês do yin e do yang.

Portanto, nem tudo na vida é recuperável, reparável. A morte, para irmos ao limite, põe fim à vida, não tem retorno. É irreversível.

É como se fizesse, para aquela vida, parar a contagem do tempo. Inexoravelmente.

O que está feito, está feito. O que não se fez, ou fez, o que não se disse, ou disse, já não se vai a tempo de corrigir, sequer de tentá-lo.

Assim, quando nas nossas vidas atingimos a maturidade, diria que será quando tomamos consciência, que é quando percebemos realmente que a vida tem um fim, um término, que o mundo não é nosso, a partir daí será a altura para aplicarmos o conceito de vida “um dia de cada vez” ou, dito de outro modo, viver cada dia, cada momento, como se fossem o último.

 

Postas assim as coisas, o conceito de irreversível toma outros contornos. As nossas atitudes serão com certeza diferentes, talvez sejamos mais exigentes connosco próprios, respeitemos mais os outros, ao sabermos que o que fazemos, o que adiamos fazer, o que dizemos ou o que deixamos de dizer, pode não ter tempo para ser corrigido, pode não haver amanhã.

Pois, na realidade, o tempo não volta para trás. Há coisas que são definitivas. Qualquer coisa o pode ser.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: