4.3.15

MulherEmBicicleta.jpg

 

À medida que vamos crescendo, a vida, mais pequeno incidente ou menos leve angústia, é fácil. Apesar das dificuldades, enquanto somos novos e sabemos o que faremos amanhã, a vida é fácil. Enquanto caminhamos sobre o apoio que nos diz o que somos e fazemos, é fácil. Escola, escola, escola, universidade talvez – mas, e depois? Há quem tenha claramente planeado a jornada que para si deseja, e há, também, quem se sinta perdido. Perdido, porquê? Porque não sendo estudante nem trabalhador, não desfrutando de sonhos nem lutando por eles, carece de amparo perante os ventos que o abalam. Mas não sendo isto nem aquilo, somos sempre mais.

Assim, quem trabalha tem, por outro lado, a tendência a criar com a sua profissão uma relação quase simbiótica. Consequentemente, sem o trabalho perder-se-ia a si mesmo. Sem dúvida que as exigências e a competitividade do mercado de trabalho, hoje em dia, gritam e arranham para que trabalhemos sempre mais e mais, sussurando camufladamente para que nos esqueçamos de nós próprios. Sem dúvida também que, por muito que o que fazemos nos comece a causar dor, queremos, acima de tudo, a oportunidade de continuar a fazê-lo e de extrair, do dia-a-dia cansativo, os possíveis e indispensáveis benefícios. Mas há que pensar que é para viver que vivemos e que enquanto uma profissão é uma profissão apenas, cada um de nós é bem mais do que isso.

Torna-se difícil não estudar nem trabalhar e não ter, assim, uma rotina que segure o dia-a-dia e que nos iluda de que somos o que fazemos. Contudo, aos poucos, vamo-nos apercebendo das capacidades do nosso ser e das potencialidades do que há de mais singular no nosso caráter. Então começa a haver algo mais – mais um apoio, mais uma pedra onde agarrar a mão que escorrega. Ora, mesmo quem imerge demasiado no trabalho e não procura estes outros apoios no mundo, precisa, por vezes, de um escape, de um outro ar, puro e verdadeiro – e então custa a encontrá-lo. Mas existe.

Definimo-nos pela profissão que temos; dispensamos procurar-nos mais para além. Imergimos mais e mais, pois a cada mês, a cada ano, somos mais aquilo que outra coisa. Mas cansa. Não vemos outra opção que não um esforço exponencialmente crescente, mas cansa. E se por ter profissão estamos a salvo da vida e dela nos isolamos, a vida não nos salvará da profissão quando para além dela não nos soubermos já reconhecer. Todavia, estamos cá, e seremos sempre mais que o que fazemos.

 

Isabel Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: