24.10.16

Suitcase-JoseAntonioAlba.jpg

Foto: Suitcase – Jose Antonio Alba

 

No fascinante universo da Psicoterapia existe um método terapêutico deveras interessante, por espelhar as falhas que existem no sistema mais importante na vida do indivíduo - a família.

Basicamente é uma terapia que assenta em três pilares muito simples:

- Necessidade de pertencer a uma família (muitas vezes em nome desta necessidade sacrificamos a nossa felicidade, para não sermos excluídos);

- Necessidade de ordem (quem nasce primeiro na família tem precedência sobre quem nasce depois);

- Necessidade de Equilíbrio (aquilo que se dá e recebe deve estar em equilíbrio numa relação para que haja paz).

Segundo o criador deste método terapêutico, onde existirem pessoas, estas forças estarão sempre a atuar para que haja equilíbrio entre elas.

 

Porém, nem sempre assim é. O que acontece é que, para além de herdarmos os olhos da mãe e o otimismo do pai, a casa do avô e a enxaqueca da avó, nós realmente herdamos as situações mal resolvidas também, pois a história da nossa família acaba por ser herdada por cada um de nós, existindo uma espécie de transmissão cultural que nos afeta mais profundamente do que é possível imaginar.

Por amor e pertença, podemos repetir um padrão familiar que nos desequilibra e leva à tristeza ou à doença, muitas vezes de forma inconsciente. Quando um dos três pilares é transgredido, resulta em sofrimento para a pessoa.

Este método propõe a possibilidade da pessoa compreender e integrar dentro de si a carga familiar que herdou, portando, permitindo a capacidade de colocar na ordem certa o próprio lugar dentro da família e uma certa ordem interior.

 

A questão que coloco é se seremos nós assim tão livres e independentes quando, na verdade, temos tantas cordas e amarras invisíveis que nos amarram ao passado e aos membros familiares que nos antecederam. Serei então aquilo que sou, ou um espelho da minha família? Serei assim tão independente nas decisões que tomo ou é a voz da família que ecoa em mim e escolhe?

 

Nota: Falo, no texto, sobre a Terapia das Constelações Sistémicas Familiares de Bert Hellinger.

 

Sara Almeida

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: