6.10.17

Paracycling - Mucorales.jpg

Foto: Paracycling - Mucorales

 

Não tenho dúvidas da capacidade e do à vontade com que muitos lidam e falam da deficiência. Fazem-no com naturalidade, com conhecimento e sem erros científicos e humanos. Não é o meu caso. Sinto-me ignorante e, estou muito agradecida às forças do universo, ou a qualquer outra força ou energia que me têm poupado a ter de viver e lidar com a deficiência, tal como a minha limitação a entende – o que não está dentro da normalidade. O desconhecimento desta realidade faz de mim um ser inábil no relacionamento com a pessoa com deficiência. Confesso a minha dificuldade em comportar-me e, por incorreto que seja, a verdade é que a diferença torna-me curiosa em relação às causas e aos efeitos. Satisfazer a curiosidade constrange-me com receio de causar algum tipo de sofrimento a quem se sinta observado. O resultado revela-se numa falsa indiferença e numa leviana normalidade da minha parte.

 

Essa dificuldade estende-se também à escrita. Não vejo beleza na condição de deficiente e isso rouba-me inspiração para romancear ou fantasiar à volta do tema. Escrever sobre o quê? Que sei eu do mundo que alguns criam e no qual se refugiam sem deixarem entrar nem mesmo os que lhes estão mais próximos? Que capacidade tenho de entender frases e ideias desconexas, mas com sentido para quem as profere? Que sei eu da força que anima amputados a bater recordes, a melhorarem marcas até aos degraus do pódio? E a que sabe a medalha conquistada? De que sentidos se servem e que processos desenvolvem aqueles que, privados de visão e audição, dançam com tanta delicadeza que nos levam para lá da realidade?

Apesar de nada saber e quase tudo me ser desconhecido, talvez por isso mesmo, espanto-me com os resilientes, os que estabelecem objetivos e lutam pela sua concretização e os que não se deixam atingir na sua dignidade quando lhes devolvem uma imagem de incapazes. A superação das pessoas com deficiência, se outras razões não houvessem, deveria eliminar estigmas e preconceitos. Mas que sei eu? Deficiência minha que nada sei.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Outubro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
18
19
21

22
24
25
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: