3.7.17

Man-OlichelAdamovich.jpg

Foto: Man – Olichel Adamovich

 

Às vezes a realidade encaminha-nos por travessias planas sem que possamos adivinhar as curvas sinuosas que se seguem. E ele certamente não previu as suas. Por isso, ali estava. Questionando-se sobre as causas e os porquês, os indícios e os “quando”, as consequências e os “como”. E nesse tempo dedicado ao pensamento, cogitou sobre o pouco tempo que tinha, um tempo que não podia ser passado a pensar. Por uma vez, na sua existência precisava de transpor o seu eu para a ação e pôr o seu espírito em movimento.

Vivera encerrado na sua mente turbulenta durante anos, sem nunca deixar de ser controlado pela depreciativa racionalidade que guiava todos os seus passos, sem se expor à natural impulsividade que deveria conferir cor aos seus dias. Assim, libertou-se das amarras e foi em busca dos seus mais íntimos desejos.

Mas já não restava mais nada. Nem ninguém. Todos os caminhos que partiam de si se enchiam de vazio; todos aqueles de quem gostava tinham partido e tudo o que sempre sonhara fazer, já não era possível.

Uma vez mais, ali estava, sozinho. Perdera tudo. As chances, os momentos, os dias, as pessoas, as alegrias, a partilha, a coragem, a loucura, a adrenalina, e sobretudo a felicidade. E não havia mais nada que pudesse fazer.

Quando os grãos de areia se reuniram na parte inferior da ampulheta da vida, olhou para trás e viu todo um caminho de desastres e feridos, um caos completo sem realização alguma. Então, pela primeira vez, agiu efetivamente de impulso, acabando com tudo aquilo…

… Até acordar subitamente.

 

Estava aterrorizado com a ideia de que pudesse fazer algo assim, de que a sua vida se tivesse resumido a um desespero, de que tivesse chegado àquele ponto.

Tinha sido um pesadelo. Um pesadelo real, concreto. Sabia que sim. Mas na ampulheta da sua vida os grãos ainda corriam, e afinal, ainda tinha tempo para agarrar a felicidade.

 

Sara Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: