27.7.15

FakeTattoo-ShariWeinsheimer.jpg

Foto: Fake Tattoo – Shari Weinsheimer

 

No grande livro da nossa vida, os dias que vivemos são escritos em páginas onde definimos aquilo que somos, o que fazemos e como o fazemos.

É nelas que demonstramos que a nossa vontade de fazer mais e melhor define o nosso caráter.

Nestas páginas descrevemos as nossas ações e personalizamos as margens da nossa essência. Quando aquilo que somos, a nossa realidade, a nossa essência é distorcida, estamos, sem querer, a viver numa mentira, numa ilusão ou fantasia. Desconfiguram-se as linhas traçadas por aquilo que é autêntico para nós e acabamos por não conseguir definir a verdadeira autenticidade.

Ao afastarem-nos daquilo que consideramos autêntico, legítimo, verdadeiro, sincero, aqueles que o fazem levam-nos a pensar que agimos de maneira diferente do que nos impele a nossa consciência. Acabamos por nos deixar influenciar por opiniões que nos levam a crer que aquilo que somos vai contra o que é definido como “normal”, ao padrão do que é aceitável, não só por nós mesmos mas pela sociedade.

É um afastamento forçado que confunde a autenticidade, a unidade da nossa essência e contrapõe as premissas legítimas da sociedade de que todos somos iguais. E, desta forma, acabamos por viver afastados daqueles padrões e caraterísticas que muitos consideram normais e o reflexo da verdade certa. Caraterísticas como cor de pele, estatuto social, etnia, condições físicas e psicológicas, que muitas vezes são díspares mas não menos autênticas.

Somos marginalizados pelos gostos pessoais, olhados de lado pelo piercing no lábio, postos de parte pelo corpo coberto de tatuagens… fecham-nos a porta a oportunidades por uma deficiência, queimam-nos vivos pela crença… fazem troça de quem é diferente, afastam quem se comporta… gozam, insultam, matam, ferem, magoam… marcam.

Cabe-nos a nós sarar as feridas… disfarçar as marcas… marginalizados??? Só e apenas se o deixarmos… não somos cópias baratas do que está na moda… não somos cópias baratas do perfeito e convencional… somos feitos de defeitos, de feitios, virtudes, traços, de personalidades… não somos cópias baratas, somos o original.

 

P. Melo

 

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: