De Susana Cabral a 25 de Março de 2009 às 22:48
A dor da perda de alguém que faz parte da nossa alma, quer ao fim de 11 meses ou de 15 anos domina, por vezes, o nosso cérebro provocando uma insistência e resistência de forma a ignorar a realidade, como que por "magica" se pudesse ter o poder de mudar "... o que mudou irremediavelmente ."
Parece uma mecanismo accionado talvez para nos ajudar a ultrapassar o vazio ou talvez para contribuir para a enorme solidão guardada.
As memórias são para mim uma armadilha por vezes levam-nos ate momentos em que por segundos podemos quase sentir o calor de um abraço ou pode apenas "cruelmente" me fazer saudades do tal abraço que acabei por não conseguir sentir.

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres